Tamanho do texto

Segundo o Índice FipeZap, tendência de baixa rentabilidade começou em 2008; situação é pior no Rio de Janeiro

É necessário calcular ganhos para que o investimento faça sentido e tenha rendimentos mensais maiores do que outras aplicações mais conservadoras
Thinkstock/Getty Images
É necessário calcular ganhos para que o investimento faça sentido e tenha rendimentos mensais maiores do que outras aplicações mais conservadoras

O rendimento de um imóvel (razão entre o preço anunciado para locação e venda do metro quadrado) nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro se mantém no menor nível desde 2008.

Nos três primeiros meses do ano, o investimento continua perdendo para aplicações de menor risco, como a poupança. É o que aponta o índice FipeZap, tomando como base classificados de imóveis e dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ns três primeiros meses do ano, os ganhos somam 1,45% em São Paulo e 1,11% no Rio. Os rendimentos da poupança desde o início do ano somam 1,68%.

O rendimento para quem aluga imóveis nos primeiros três meses do ano foi de, em média, 0,45% por mês em São Paulo e 0,37% no Rio. Em 2008, o rendimento mensal era de 0,71% em São Paulo e 0,54% no Rio. 

No ano passado, os ganhos com aluguel somaram, em média, 5,62% do valor do imóvel em na capital paulista, e 4,66% na cidade fluminense. Em 2008, atingiram 9,02% e 6,44%, respectivamente. 

Leia também: Tire suas dúvidas sobre a declaração do aluguel no IR

De acordo com Claudio Alencar, professor do núcleo que estuda o mercado imobiliário da Universidade de São Paulo (USP), o investimento está sendo penalizado pelo descolamento entre os preços dos aluguéis e do valor dos imóveis iniciado em 2007 e impulsionado pelo aumento do crédito imobiliário e do investimento estrangeiro no País. "O preço de venda subiu muito acima do crescimento da renda da população e até da inflação".

Panorama não deve mudar no curto prazo. Os preços devem se estabilizar, ainda que não aumentem tanto" (Cláudio Alencar, professor da USP)

Este panorama não deve mudar no curto prazo, diz o professor da USP. Isso porque os preços não devem avançar no mesmo patamar dos últimos anos, mas também não devem cair, acredita. "A tendência é que se estabilizem". 

Neste cenário, a compra do imóvel para aluguel apenas vale a pena caso o investidor encontre oportunidades, como um vendedor em busca de liquidez, que precise vender o bem de forma rápida, pois necessita do dinheiro. "Caso o imóvel seja vendido com desconto, o rendimento mensal pode aumentar e o investimento pode passar a valer a pena", aponta Mauro Calil, fundador da Academia do Dinheiro.

Evolução do aluguel

Rendimentos médios obtidos no Rio e em São Paulo de 2008 a 2013

Gerando gráfico...
Zap Imóveis


Mercado é promissor para quem já tem imóvel

O alerta sobre os fracos rendimentos serve para quem deseja comprar agora um imóvel para alugar, e não para quem já tem um imóvel pelo qual cobra aluguel.

Calil exemplifica. Quem comprar hoje um imóvel de R$ 1 milhão, e cobrar aluguel mensal de R$ 3 mil, terá rendimento de cerca de 0,3% ao mês. Mas no caso de um imóvel adquirido há 20 anos por R$ 100 mil, e que valha hoje R$ 1 milhão, o rendimento mensal de um aluguel de R$ 3 mil é de 3%, pois é baseado no preço de compra do imóvel.

O consultor financeiro aconselha alugar o imóvel até para quem quer se mudar para outro apartamento. "Não é o momento de se desfazer. É preferível colocá-lo para alugar e cobrir o financiamento do segundo imóvel com este valor", conta.

Calcule os riscos e ganhos e busque alternativas

Quem deseja investir em um imóvel para alugar deve dividir o valor do aluguel que será cobrado pelo valor do imóvel e multiplicar por 100 para chegar a um porcentual e, desta forma, comparar o investimento com o rendimento obtido em outras aplicações financeiras. 

Hoje o mercado oferece opções mais rentáveis na renda fixa, com maior liquidez e segurança do que a compra de um imóvel para alugar, diz Calil. "Comprar um imóvel para investir não é seguro. Ele pode não ter liquidez e até desvalorizar".

E também: Aluguel para Copa: especulação não encontra demanda esperada

Como opção, o investidor tem fundos imobiliários, que funcionam de forma semelhante ao aluguel, porém, é possível ter mais liquidez ao vender as cotas e diversificar mais, já que cada fundo investe geralmente em mais de um imóvel.

Quem tem R$ 300 mil para comprar imóvel pode investir em cotas de 10 fundos e diminuir os riscos. "Existem fundos nos quais é possível obter um rendimento mensal de 0,7% ao mês e que são isentos de Imposto de Renda", conta Calil.