Tamanho do texto

Índice Ibovespa fechou o mês com alta de 1,64%, acumulando perda de 20,87% no ano. Ouro, euro e dólar tiveram os melhores desempenhos dos últimos 30 dias

Ouro rendeu 9,73% no mês
Getty Images
Ouro rendeu 9,73% no mês

A Bolsa de Valores de São Paulo foi a quarta melhor aplicação de julho, com saldo positivo de 1,64% encerrado nesta quarta-feira (31), atrás do ouro (9,73%), do euro (4,41%) e do dólar (2,11%). Foi o primeiro mês do ano em que o índice Ibovespa fechou no azul , acumulando perda de 20,87% em 2013.

Desde janeiro, o investimento com o melhor desempenho foi o euro, que apresentou ganhos de 12,13%. Em seguida veio o dólar, com valorização de 11,39% no ano. A pior aplicação no período depois da bolsa foi o ouro (-11,42%).

Em julho, os fundos de renda fixa tiveram rendimento bruto de 0,75% a 0,90%, na frente dos fundos DI (entre 0,60% e 0,75%), e dos títulos indexados ao Índice Geral de Preços – Mercado (de 0,55% a 0,70%). Já a poupança, com aniversário em 1º de agosto, teve rendimento líquido de 0,48% no mês. Os títulos indexados ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) tiveram o menor rendimento, entre 0,35% e 0,50%.

No resto do mundo, o recuo do dólar frente à maior parte das moedas provocou altas nas bolsas, segundo o administrador de investimentos Fabio Colombo. As bolsas mundiais tiveram desempenho positivo médio de 6%, em dólares, enquanto o Brasil ficou entre as piores colocações.

Na avaliação de Colombo, a piora na balança comercial, a perspectiva de crescimento fraco e a consequente desvalorização do real contribuíram para o cenário. Em agosto, os mercados devem ser influenciados pela discussão sobre a retirada de estímulos do Fed (o banco central americano) da economia.

Além disso, dados sobre o crescimento da China, EUA e Europa devem influenciar os investidores. No Brasil, o mercado estará de olho em fatores como a projeção de um novo aumento da taxa básica de juros, no crescimento do PIB e da indústria e nos índices de inflação.