Tamanho do texto

Receita começa a pagar as restituições em 16 de junho e o último lote só sairá em dezembro

Falta menos de um mês para que a Receita Federal comece a pagar as restituição da declaração do Imposto de Renda 2014 (ano-base 2013). Segundo o calendário do Fisco, o primeito lote será depositado em 16 de junho.

A consulta costuma ser liberada aos contribuintes uma semana antes de cada lote de restituição ser pago. O último lote – o sétimo – será quitado apenas em 15 de dezembro. A Receita usa a taxa básica de juros, a Selic, para corrigir o valor.

Quem precisa de dinheiro, não pode esperar pela Receita e teme ficar nos lotes finais tem como opção procurar um banco para antecipar a restituição. É possível antecipar até 100% da restituição. A insitutição financeira com a taxa de juros mais baixa para este tipo de empréstimo é o Banco do Brasil – a partir de 1,69% ao mês. No HSBC, os juros mensais chegam a 3,49%.

COMPARE OS VALORES OFERECIDOS PELOS BANCOS:

BANCO RESTITUIÇÃO (%) LIMITE DO EMPRÉSTIMO JUROS MENSAIS
Banco do Brasil Até 100% Até R$ 20 mil A partir de 1,69%
Santander Até 100% De R$ 100 a R$ 10 mil A partir de 2,20% 
HSBC Até 100% De R$ 300 a R$ 30 mil De 1,79% a 3,49%
Itaú Unibanco Até 100% De R$ 200 a R$ 5 mil A partir de 2,34%
Bradesco Até 100% (conta salário); até 80% (demais clientes) Até R$ 20 mil A partir de 2,27%
Caixa Limite de R$ 610,00 até R$ 20 mil Até R$ 20 mil para não clientes; até R$ 30 mil para conta salário De 1,99% a 2,09%

* Valores informados ao IG em maio de 2014

Os especialistas explicam que nem sempre vale a pena recorrer a este tipo de solução para resolver as finanças. "Só é vantajoso [antecipar a restituição] se você tiver uma dívida mais cara que os juros cobrados, como no cheque especial ou cartão de crédito, ou quando há necessidade de adquirir um bem com urgência, como um carro, por exemplo", explica o professor de finanças do Ibmec, Gilberto Braga.

Leia também: Os 7 piores erros antes de tomar uma decisão financeira

O docente lembra que, por tratar-se de uma operação de crédito com risco muito reduzido (já que o pagamento da restituição pela Receita é praticamente certo), juros muito altos não se justificam.

"Este tipo de empréstimo só vale a pena para quem paga juros maiores aos da antecipação pelos bancos", explica Wilson Muller, consultor do Vida Investe e educador financeiro da Fundação Cesp.