Tamanho do texto

Restituição será depositada via depósito bancário no próximo dia 17; mais de 120 mil contribuintes receberão, no total, R$ 362,36 milhões

Último lote da Receita soma R$ 236 milhões, e será depositado na próxima segunda-feira
Tooga/Getty Images
Último lote da Receita soma R$ 236 milhões, e será depositado na próxima segunda-feira

A Receita Federal libera, a partir de 9h desta segunda-feira, a consulta ao sétimo e último lote multiexercício de restituição do Imposto de Renda. O dinheiro será depositado na conta bancária dos 120.524 contribuintes na próxima segunda-feira (17), em um total de R$ 362,36 milhões.

A maior parte da restituição é referente ao lote de 2012, com 101.924 contribuintes que receberão R$ 308,65 milhões. Em relação a 2011, o dinheiro será liberado para 10.194 contribuintes, no total de R$ 30,22 milhões.

Mais : Não entregou o IR? Saiba o que fazer

Sobre o lote do exercício de 2010, serão creditadas restituições para 4.513 contribuintes, de R$ 13,08 milhões, enquanto que o lote residual de 2009 abrange 2.403 contribuintes, no total de R$ 6,4 milhões. O lote residual de 2008 inclui 1.490 contribuintes, na soma de R$ 3,99 milhões.

Ainda : Como fazer a retificação do Imposto de Renda

Para saber se estão na lista, os contribuintes devem acessar a página de consulta no site da Receita Federal ou ligar para o Receitafone, no número 146. Caso a restituição não seja creditada no banco, o contribuinte poderá entrar em contato com qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento da instituição por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (pessoas com deficientes auditivos), para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Malha fina

A  Receita informou ainda que, este ano, um total de 616.569 declarações ficaram retidas na malha fina, um aumento de 8,2% em relação a 2011. O principal motivo de as declarações terem ficado retidas foi a omissão de rendimentos, com 69,12% do total. A seguir vêm despesas médicas (11,56%), ausência de DIRF (8,30%) e divergência de DIRF (3,06%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.