Tamanho do texto

Associação Comercial mostra crescimento no número de consumidores com dois ou mais talões atrasados. Em agosto, fatia era de 55%

A Pesquisa Perfil do Inadimplente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) revelou que 69% dos consumidores estão com dois ou mais carnês em atraso. O resultado supera o percentual registrado no mesmo período do ano passado, quando 55% dos entrevistados se encontravam nesta situação. Até mesmo os consumidores com apenas um carnê em aberto estão com problemas para quitar sua dívida.

A pesquisa revela que, em setembro, houve um crescimento de 31% para 45% no número de pessoas nessa situação. O carnê de loja continua liderando a preferência do consumidor, com 31% dos entrevistados, seguido pelo cheque, com 24%, cartão de crédito (19%), cartão de loja (14%) e os empréstimos bancários (12%).

Quanto à inadimplência dos cheques em atraso, 12% eram à vista e 88% pré-datados. Já os inadimplentes que possuem mais do que 20 cheques em atraso caíram de 12% em setembro de 2009, para 9% na pesquisa de setembro deste ano. O desemprego é apontado por 50% dos entrevistados como a principal justificativa pela inadimplência.

A associação, contudo, chama a atenção para o fato de que apenas 10% das pessoas consultadas perderam o emprego em 2010. "Destacamos que é crescente o número de entrevistados que nos últimos três anos recuperou o emprego. Isso mostra que a geração de empregos formais está estimulando a grande recuperação de crédito dos últimos meses", diz a entidade.

A inadimplência se concentra em consumidores entre 21 e 40 anos (70%) e com faixa de renda de um a três salários mínimos (55%). Pela primeira vez, no entanto, as mulheres (52%) passam os homens (48%) e representam a maior proporção dos inadimplentes. Há um ano, essa relação era de 42% e 52%, respectivamente.

Segundo a ACSP, esse comportamento reflete a grande inserção das mulheres no mercado de trabalho nos últimos anos. Nessa ótica, o público feminino teria deixado o CPF do marido de lado para utilizar o próprio CPF para obter crédito. Pesquisa realizada pelo "Instituto de Economia Gastão Vidigal" da Associação Comercial de São Paulo, junto a 950 consumidores que procuram informações no Balcão de Atendimento do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) da entidade, na capital.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.