Tamanho do texto

Caso a nova previsão se confirme, o setor fechará 2012 com alta de cerca de 6% sobre os R$ 79,9 bilhões liberados em 2011

Reuters

As concessões de crédito imobiliário devem fechar o ano com crescimento menor que o esperado no país, em meio à menor demanda por recursos por parte das construtoras, mas devem voltar a acelerar em 2013, conforme projeção da associação que representa o setor, Abecip.

Segundo o presidente da Abecip, Octavio de Lazari Júnior, afirmou à Reuters nesta sexta-feira, os recursos concedidos pelo sistema brasileiro de poupança e empréstimo (SBPE) para financiamento imobiliário devem atingir cerca de R$ 85 bilhões no fechado deste ano, abaixo do previsto anteriormente.

Veja também:  Crédito para imóveis já supera o de carros

A Abecip projetou em julho que o financiamento para compra e construção de imóveis em 2012 somaria R$ 95,9 bilhões, número já reduzido ante estimativa inicial de R$ 103,9 bilhões em recursos para este ano.

Caso a nova previsão se confirme, o setor fechará 2012 com alta de cerca de 6% sobre os R$ 79,9 bilhões liberados em 2011. Nos dez meses até outubro deste ano, foram concedidos R$ 66,2 bilhões em crédito imobiliário, alta anual de 1,9%.

A redução é decorrente do fraco desempenho da economia, o que também levou as construtoras desde o final de 2011 a forte desaceleração no volume de lançamentos. Essa desaceleração já havia sido apontada pela Abecip como saudável para o mercado, visando alcançar níveis de crescimento sustentáveis e mais consistentes.

Veja também:  Crédito imobiliário tem espaço para crescer, diz Abecip

Para 2013, a previsão da Abecip é de crescimento entre 15 e 20% em relação a 2012. "Se, de fato, a economia brasileira crescer de 3,5 a 4%, a expectativa é (de crescimento) ao redor de 15 a 20%, dependendo das condições do mercado, do crescimento do PIB, nível de emprego, nível de renda, se tivermos condições normais", disse Lazari.

Os números consideram apenas os recursos da caderneta de poupança, excluindo os oriundos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

O governo anunciou no início deste mês medidas para estimular o setor de construção civil, para fomentar o investimento e acelerar o crescimento da economia. As medidas incluem desoneração da folha de pagamentos e financiamento mais barato através da Caixa Econômica Federal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.