Tamanho do texto

Neste ano, porém, o crédito imobiliário passou por uma forte desaceleração. "O empresário ficou mais maduro", disse Octávio de Lazari, presidente da associação

Agência Estado

O presidente da Associação Brasileira de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Octávio de Lazari Junior, acredita que o crédito imobiliário no País ainda tem espaço para se desenvolver nos próximos anos. "Os bancos continuam com apetite de fazer crédito imobiliário", afirmou, lembrando que o nível de inadimplência do setor segue estável e em níveis baixos, em torno de 1,5%.

Veja também: Crédito imobiliário cresce 24% em outubro, a R$ 7,56 bilhões, diz Abecip

Neste ano, porém, o crédito imobiliário passou por uma forte desaceleração. Lazari ponderou que essa desaceleração foi positiva, pois refletiu o freio de arrumação no setor, com as empresas se reorganizando após problemas operacionais "O empresariado ficou mais maduro", disse, acrescentando que o crescimento daqui em diante será mais sustentável, sem grandes variações bruscas.

Retrospectiva 2012: ano foi marcado por corte de juros e ampliação do crédito

Em relação aos recursos (funding) para o crédito imobiliário, Lazari disse que eles estão garantidos até ao menos 2015, tendo em vista a desaceleração no setor de construção associado aos bons níveis de captação por meio da caderneta de poupança. "De janeiro a outubro, a captação da poupança somou R$ 27 bilhões", citou. O presidente da Abecip acrescentou que outras ferramentas de funding, como os 'covered bonds', estão sendo desenvolvidas. "A hora que precisar de crédito alternativo, vamos ter os instrumentos prontos", disse.

Os comentários de Lazari foram feitos nesta quarta-feira durante sua palestra na mesa-redonda sobre as perspectivas para o Brasil e o mercado imobiliário, evento realizado pela Federação Internacional das Profissões Imobiliárias (Fiabci-Brasil) e pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.