Tamanho do texto

Em 2013, foram registradas 2,2 milhões relacionadas a roubo de identidade, alta de 3,04% com relação ao ano anterior

Telefonia concentrou mais casos de fraude em 2013
Getty Images
Telefonia concentrou mais casos de fraude em 2013

Em 2013, foram registradas 2,2 milhões de tentativas de fraude contra consumidores no Brasil, de acordo com Indicador da Serasa Experian divulgado nesta terça-feira (28).

O número equivale a uma tentativa de fraude a cada 14,5 segundos no País. O resultado atingiu o recorde histórico do indicador, que teve alta de 3,04% em comparação a 2012, no qual foram registradas 2,1 milhões de tentativas.

Leia também: Maioria das suspeitas de fraude em seguro de vida fica sem solução

Com relação a 2011, quando houve 1,9 milhão de tentativas, a alta foi de 12,39%. Na comparação com 2010, ano no qual foram registradas 1,8 milhão, o aumento foi de 17,56%.

O indicador trata de roubo de identidade, em que dados pessoais são usados por criminosos para fechar negócios sob falsidade ideológica ou mesmo obter crédito com a intenção de não honrar os pagamentos.

Telefonia tem mais registros

O setor de telefonia respondeu pelo maior número de registros em 2013, com 951,3 mil, um total de 43,16% das tentativas de fraude registradas no ano. Esse número representa uma alta de 26,08% em relação a 2012, de 85,07% em relação a 2011 e 107,42% em relação a 2010.

Já o setor de serviços – que inclui construtoras, imobiliárias, seguradoras e serviços em geral (como salões de beleza e pacotes turísticos) – teve 55,5 mil registros, equivalente a 29,85% do total. Em relação a 2012, houve queda de 11,85%. Já em comparação com 2011, o setor viu queda de 0,02% e, em comparação a 2010, alta de 14,01%.

O setor bancário é o terceiro do ranking no ano, com 399,3 mil tentativas, 18,12% do total. O setor observou alta de 1,89% em relação aos registros de 2012; mas queda de 20,24% em relação a 2011 e de 24,55% em relação a 2010.

Já o varejo registrou 160,6 mil tentativas de fraude contra o consumidor, 7,29% das investidas em 2013, mas alta de 62,64% em relação a 2011 e de 49,58% em relação a 2010. 

Cadastros na internet são principal problema

Segundo a Serasa, geralmente o golpista monta cadastros em páginas da internet sem idoneidade e segurança, onde captam informações pessoais dos consumidores.

Os golpistas costumam comprar telefone para ter um endereço e comprovar residência, por meio de correspondência. Desta forma, abrem contas em bancos para pegar talões de cheque, pedir cartões de crédito e fazer empréstimos bancários em nome de outras pessoas.

Entre as principais tentativas de golpe apontadas pelo indicador, estão

1 - Emissão de cartões de crédito

O criminoso solicita um cartão de crédito usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a “conta” para a vítima e o prejuízo para o emissor do cartão.

2 - Financiamento de eletrônicos (varejo)/ Compra de celulares

O golpista compra um bem usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a conta para a vítima.

3 - Abertura de conta

O criminoso abre uma conta em um banco usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a a despesa para a vítima. Neste caso, toda a cadeia de produtos oferecidos (cartões, cheques, empréstimos pré-aprovados) potencializa possível um prejuízo às vítimas, aos bancos e ao comércio

5 - Compra de automóveis

O golpista compra o automóvel usando uma identificação falsa ou roubada, deixando o prejuízo para a vítima. Abertura de empresas: dados roubados também podem ser usados na abertura de empresas, que serviriam de fachada para a aplicação de golpes no mercado.

Consumidor deve tomar cuidados

A Serasa Experian aconselha aos consumidores não fornecer dados pessoais para pessoas estranhas e não confirmar suas informações pessoais ou número de documentos por telefone, tomando cuidado com promoções ou pesquisas.

É indicado também não perder de vista documentos de identificação quando solicitados para protocolos de ingresso em determinados ambientes ou quaisquer negócios. Do mesmo modo, não deixe que atendentes de lojas e outros estabelecimentos levem cartões bancários para longe sob a desculpa de efetuar o pagamento. Isso é muito comum, por exemplo, nos postos de combustível.

É também necessário tomar cuidado ao digitar a senha do cartão de débito ou crédito na hora de fazer pagamentos, principalmente na presença de desconhecidos.

Entre as outras cautelas a serem tomadas estão não informar os números dos documentos quando preencher cupons para participar de sorteios ou promoções de lojas; e não realizar cadastros em sites que não sejam de confiança. Para isso, é necessário atenção a itens, como a presença do cadeado de segurança.

Também é importante tomar cuidado com dados pessoais nas redes sociais que podem ajudar os golpistas a se passar pelo consumidor usando informações pessoais, e manter atualizado o antivírus do computador, diminuindo os riscos de ter dados pessoais roubados por arquivos espiões.

É necessário ainda evitar realizar algum tipo de transação financeira utilizando computadores portáteis conectados em redes públicas de Internet.

Como proceder após a fraude

Quando for vítima de roubo, perda ou extravio de documentos, é necessário se cadastrar gratuitamente na Serasa, que fará com que a informação fique disponível para o mercado.

Depois, o consumidor deve fazer um boletim de ocorrência. Assim, a cada consulta, o concedente de crédito será alertado de que se trata de documentos roubados, evitando que transações sejam realizadas.