Tamanho do texto

As notas com danos ficam impróprias para circular e podem até perder valor. Mas alguns casos permitem reembolso do Banco Central

Você sabe o que fazer com uma cédula rasgada? Remendar com fita adesiva, jogar no lixo, ou passar para frente está fora de cogitação, segundo as regras do Banco Central (BC). Toda nota de real que tenha sofrido algum dano deve sair de circulação imediatamente.

Secar as cédulas ao sol ajuda a combater os estragos de uma
Creative Commons
Secar as cédulas ao sol ajuda a combater os estragos de uma "lavagem de dinheiro" acidental

A moeda pode até perder seu valor de troca, dependendo do estado de deterioração. Na maior parte dos casos, ela pode ser substituída por novas cédulas após passar por uma análise técnica do BC.

A instituição informou, a pedido do iG , que recebeu 389.827 notas com problemas no ano passado, quantidade 72% maior que em 2011. Ou seja, uma média de 1.068 cédulas por dia.

Até agosto deste ano, o banco havia recebido 82.863 cédulas para avaliação. Já as notas danificadas que continuam em circulação por desninformação ficam de fora das estatísticas, já que é impossível quantificá-las.

LEIA TAMBÉM:   Dólar no cartão pré-pago pode sair mais barato do que dinheiro vivo

Quem receber dinheiro em espécie com manchas, rabiscos, queimaduras, cortes ou outros danos deve entregá-lo em alguma agência bancária, local habilitado para receber o material e enviá-lo ao BC para exame. Neste processo, o conteúdo pode ser classificado como “danificado” ou “mutilado” – este último nos casos mais graves.

O banco deve fornecer um recibo ao cliente e informá-lo quando o resultado do exame estiver pronto. Se as cédulas ainda possuírem valor, o consumidor será ressarcido. O material prejudicado é destruído pelo Banco Central.

“Não há prazo para a análise ser concluída, mas a pessoa que entregar uma cédula a uma agência bancária sempre será comunicada sobre o resultado deste exame”, esclareceu o BC.

Confira as características que tornam as cédulas inadequadas para circulação:

Conheça os danos mais comuns sofridos pelas cédulas e saiba como proceder:

FALHA DE IMPRESSÃO

De acordo com o BC, são raros os problemas de impressão na Casa da Moeda que efetivamente chegam ao mercado. Caso isso ocorra, o procedimento é o mesmo para as notas danificadas: enviá-las a algum banco e aguardar o resultado da análise. Na comprovação de que o dinheiro é verdadeiro, o consumidor recebe o reembolso.

MERGULHO ACIDENTAL

Quem nunca esqueceu o dinheiro no bolso da calça e colocou na máquina de lavar? Esta “lavagem de dinheiro” com direito a amaciante é tolerada e não costuma causar danos muito graves. Colocar a nota para secar ao sol é uma solução que quase sempre funciona. Mas se a cédula ficar muito enrugada, o Banco Central pode substituí-la por moeda nova, por meio do mesmo procedimento.

MANCHAS, CORTES E RASGOS

Ao contrário do que se imagina, fitas adesivas ou grampos não tornam a nota utilizável. Rasgos, furos, cortes ou remendos, desde que não atinjam mais de 50% da nota, ainda permitem a substituição da cédula, mas não devem ser passados para frente no mercado. Cédulas de polímero – como algumas notas de R$ 10 de plástico especial – podem conter áreas encolhidas ou enrugadas, também sujeitas à troca, assim como manchas e desbotamentos. Se faltar parte de elementos de segurança da nota, ela também deve parar de circular.

Exemplo de cédula com rabiscos: imprópria para circular
Creative Commons/Flickr
Exemplo de cédula com rabiscos: imprópria para circular

RABISCOS

A presença de caracteres estranhos como desenhos, rabiscos ou carimbos no papel moeda é suficiente para que o BC classifique a nota como dilacerada e inadequada para circulação. No entanto, ela não perde valor de troca se enviada ao banco para análise.

NO CAIXA ELETRÔNICO

Com o aumento de explosões em caixas eletrônicos por criminosos, não é raro sacar notas manchadas com tinta cor-de-rosa por dispositivos antifurto. Quem receber cédulas neste estado, em algum estabelecimento do País, não deve aceitá-las. Se o dinheiro manchado sair do caixa eletrônico ou de um terminal de autoatendimento, deve-se entregá-lo imediatamente ao banco. O consumidor pode acompanhar a análise das notas pelo site do Banco Central , informando CPF ou CNPJ.

DESGASTE PELO USO

Algumas cédulas de papel acabam desbotando de tão antigas. Ao contrário das danificadas, elas continuam adequadas para circulação e podem ser usadas normalmente no mercado. Mas isso não impede que o consumidor as entregue em uma agência bancária para troca no BC. A nota desgastada será destruída pelo banco.

CÉDULAS SEM SALVAÇÃO

Embora a maior parte dos danos não elimine o valor das cédulas, há casos irrecuperáveis em que não é possível ressarcir o consumidor. Se mais de metade da superfície da nota tiver sido destruída por rasgos, cortes, queimaduras, cupim ou traças, ela perde valor de troca. Ainda assim, pode ser entregue ao BC para avaliação.