Tamanho do texto

Programas ajudam usuário no controle do orçamento doméstico e no gerenciamento de aplicações financeiras

Programas de computador que auxiliam na gestão do orçamento doméstico e nos investimentos ganham cada vez mais funcionalidades e atendem diversas necessidades de quem quer acompanhar as finanças pessoais de perto.

Ace Money, Quicken, jFinanças eFinance Desktop são apenas alguns exemplos das ferramentas disponíveis no mercado. Além de elaborar orçamentos e análises financeiras, emitem alertas quando se aproxima a data de pagamento de contas e permite anexar documentos digitalizados.

Disciplinado, Jorge Sukarie, 48 anos, presidente da Brasoftware, é um exemplo de quem acompanhou a evolução destes programas. Há 15 anos ele controla sua situação financeira. No começo, utilizava planilhas e agendas. Porém, as ferramentas eram limitadas. “Não conseguia controlar tudo o que eu precisava, mas apenas o que tinha a pagar. Não acompanhava minha situação bancária”, diz Sukarie.

Até que passou a utilizar um software de nível intermediário, pelo qual passou a pagar uma licença de US$ 70 e que permite inclusive acompanhar suas aplicações em fundos e lançamentos no cartão de crédito.

“Busco ter uma rotina de lançamentos, de duas a três vezes por semana, durante uma hora. Se as contas começam a ficar acumuladas, é fácil perder o controle e parar de fazer os lançamentos”, diz Sukarie.

Para quem ainda não possui um destes programas, é recomendável iniciar com versões gratuitas e de teste. Diversos modelos oferecem menor quantidade de funções, e outras que podem ser testadas durante 60 dias, sem custos.

Dessa forma, é possível avaliar a aparência e a facilidade de uso do programa, que devem atender as prioridades do usuário, principalmente para aqueles que não têm muita intimidade com planilhas.

Se o usuário já fez o uso inicial e decidiu que vale a pena comprar a versão paga, existem diversos tipos que variam de R$ 10 a R$ 500, e já incluem atualizações.

A escolha também depende do objetivo. Basicamente todos os programas controlam o orçamento doméstico, mas nem todos gerenciam aplicações financeiras, como investimentos em ações e produtos de renda fixa, o que pode ser importante para quem tem um orçamento equilibrado, mas quer acompanhar de perto a rentabilidade das aplicações e, se necessário, revisá-las.

É possível também optar entre softwares em inglês ou português, já que existem boas opções no exterior, que podem ser baixadas em um site internacional e pagas em dólares.

Um diferencial são programas que têm versões online e aplicativos para celular, pois facilitam o controle e lançamentos das contas e despesas de qualquer lugar.

Segurança de dados também é um ponto importante, que deve ser observado.

Outra questão a ser analisada é a compatibilidade do programa com o internet banking. O site do Bradesco, por exemplo, é compatível com o programa Finance e o Microsoft Money.

Caso não seja compatível, os lançamentos de extratos devem ser incluídos manualmente no software, o que pode demandar mais tempo para atualização do banco de dados pelo usuário.

Alguns bancos, para facilitar a importação de dados, oferecem programas de gestão financeira gratuitos.

O Bradesco tem o Net Finanças Pessoais, que é integrado à corretora do banco e permite importar notas de corretagem, visualizar a posição de custódia, armazenar operações, calcular Imposto de Renda e importar dados da bolsa para análise.

Sukarie conta que o acompanhamento auxilia, entre outras coisas, na hora de preencher o formulário do Imposto de Renda, por exemplo”.

De acordo com o educador financeiro Mauro Calil, é necessário lembrar que não basta adquirir o programa de computador e não modificar hábitos diários.

“O maior engano é achar que comprando o programa os problemas se resolvem. As ferramentas apenas ajudam a visualizar a situação financeira, mas não tomam decisões”, explica.

Com um histórico de dados, aponta Calil, é mais fácil definir metas. Para Sukarie, o controle das finanças ajuda a ter consciência dos gastos. “Posso até me descontrolar, mas estou consciente disso”.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.