Tamanho do texto

Profissionais que se educaram financeiramente mostram que um pouco de dedicação pode significar a independência financeira

Brasil Econômico

O neurocirurgião Gomes: livro e palestras para médicos
Rodrigo Capote/Brasil Econômico
O neurocirurgião Gomes: livro e palestras para médicos

Quando não estão as voltas com bisturis, desfibriladores e estetoscópios, os neurocirurgiões Francinaldo Gomes e Francisco Vaz Guimarães estão preocupados com o sobe e desce da bolsa de valores. Embora sejam formados em medicina e essa seja sua profissão “oficial”, os médicos encontram tempo e disposição para monitorar sozinhos seu portfólio de ações. Eles utilizam como ferramentas básicas o conhecimento que adquiriram em diversos cursos de educação financeira, de análises técnica e fundamentalista e até de opções sobre ações para comandar seus home brokers e enviar ordens de compra e venda, tudo dos seus computadores pessoais.

Calculadora: Como juntar R$ 1 milhão na conta bancária

Com a facilidade com que falariam em um congresso médico sobre neuropatias, Gomes e Vaz contam que só investem em ações blue chips e boas pagadoras de dividendos. “Só compro ações de empresas sólidas e lucrativas”, afirma Gomes que, durante conversa com a equipe do BRASIL ECONÔMICO monitora seus investimentos no notebook com uma mão e, na outra, atende a telefonemas urgentes do hospital onde opera seus pacientes.

Saiba tudo sobre Finanças Pessoais

Gomes conta que os dois doutores começaram este “plano B” em 2004, quando passaram por dificuldades financeiras: “Como não tínhamos dinheiro e nem formação resolvermos estudar.”

Começaram a investir em fundos de ações e à medida que o conhecimento ia aumentando a necessidade de ter sua própria carteira de ações também cresceu. Aí veio 2008 e, com ele, a crise. “Estava tudo bem porque o mercado acionário vivia momentos de alta, mas quando chegou a crise vimos a necessidade de aprimorar nossos investimentos”, diz.

Saiba mais:  Como fazer seu dinheiro render no curto prazo

Hoje, os médicos podem ser considerados mais que investidores, são disseminadores da bolsa de valores. A paixão pelo mercado acionário é tão grande que Gomes e Vaz Guimarães lançaram há seis meses o livro “Bolsa de Valores para médicos”. “A ideia do livro surgiu depois do excelente retorno que tivemos”, afirma.

Além do livro, os dois médicos ainda se dedicam a dar palestras em hospitais, preferencialmente para médicos, sobre a bolsa, como fazer planejamento financeiro e, principalmente como investir. “Mostramos que é possível ser médico e ainda cuidar dos investimentos. Como na medicina, no mercado financeiro é preciso também trabalhar com a incerteza e seguir um plano estratégico pré-estabelecido”, afirma Gomes. Outra dica: é preciso desapegar: “A gente não casa com a ação, apenas ficamos com ela”, brinca o médico.

A necessidade financeira também foi o que levou o ex-dançarino da Xuxa, Vagner Meneses, a partir para o mercado financeiro. Fly, como é conhecido, ficou 10 anos estudando e há quatros dá aulas de educação financeira para funcionários da Rede Globo.

Investidor diversificado — investe em fundos imobiliários e em ações boas pagadoras de dividendos — a área na qual mais gosta de aplicar seu dinheiro é em imóveis.“Quero dinheiro sempre, mas não rápido”, afirma.

Fly não se considera um investidor profissional, mas uma pessoa “educada financeiramente”. “Acho que não vou passar nunca mais por dificuldades, pois conquistei minha independência financeira”, diz Meneses que hoje ocupa cargo de diretor artístico na emissora é casado e tem uma filha de três anos.

Fly está abrindo um clube de investimento “Amigos do Fly” e a ideia é juntar o número suficiente de investidores para transformá-lo em um fundo.

Outro que faz do mercado financeiro seu modo de vida é o analista técnico Odair Aguiar, o Didi. Dono da Doji Star, especializada em consultoria e treinamento em análise gráfica, Didi, que é formado em engenharia mecânica e administração de empresas, caiu no mercado financeiro por acaso e depois de ganhar 500 “dinheiros” — não se lembra a moeda que circulava no país na época —, o também surfista nunca mais deixou a bolsa de valores. Excêntrico, Didi não vê TV e nem notícias sobre economia. “Só baseio meus investimentos em gráficos e mais nada”.

Além da bolsa, Didi também está fazendo shows de stand up no Rio e atualmente, está à procura de uma namorada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.