Tamanho do texto

A retomada da produção e das vendas de veículos levou a Fiat e 13 fornecedoras de autopeças da região de Betim, em Minas Gerais, a prorrogar pela terceira vez o acordo que permite a garantia de empregos, desta vez até 20 de abril. As empresas também anunciaram hoje que pretendem recontratar 510 trabalhadores entre os que foram demitidos desde o agravamento da crise financeira internacional.

Das admissões, 190 serão iniciadas a partir de hoje. O porta-voz das empresas Adauto Duarte revelou que as outras 320 admissões só ocorrerão se a produção se mantiver nos níveis atuais. "As contratações dependem da manutenção do crescimento das vendas", afirmou.

Não estão previstas contratações pela Fiat no mês de março. O acordo de garantia de emprego prorrogado nesta sexta-feira irá beneficiar 40 mil trabalhadores. Tanto o sindicato dos metalúrgicos da região quanto as empresas aguardam a definição por parte do governo federal sobre a possível prorrogação do acordo que reduziu o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre a venda de automóveis novos, que termina no próximo dia 31.

Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, Igarapé e São Joaquim de Bicas, Marcelino da Rocha, a redução da taxa básica de juros (Selic) pelo Comitê de Política Monetária (Copom) em 1,5 ponto porcentual "é um elemento a mais" para propiciar aquecimento das vendas de veículos. "Hoje o nível de trabalhadores tem sido insuficiente para dar conta da demanda, o que reforça nossa posição de que houve uma precipitação das empresas ao iniciar as demissões", disse ele. "Hoje existe uma demanda que não sabemos se é real", contrapôs o porta-voz das empresas Adauto Duarte.

De acordo com ele, apesar dos benefícios da redução do IPI, as empresas ainda não retomaram completamente os níveis de vendas registrados antes da crise. O mercado interno de automóveis, disse Adauto, atingiu patamar de 11.600 veículos vendidos por dia em setembro do ano passado e neste mês deve chegar a 10.600 carros por dia. Ele citou ainda a queda das exportações e afirmou que a prioridade das empresas é o abastecimento do mercado interno. "Precisamos que o mercado continue aquecido", enfatizou.

Desde o agravamento da crise internacional, o número de demissões homologadas pelo sindicato de metalúrgicos de Betim e região, desde outubro, atingiu 4.100 trabalhadores. Apenas a Fiat demitiu em janeiro 503 funcionários. Em fevereiro, conforme Marcelino da Rocha, foram dispensados 848 trabalhadores pela indústria automotiva na região, cujas homologações haviam sido agendadas antes do acordo inicial de manutenção dos postos de trabalho com as empresas. O número de cortes de fevereiro, porém, é quase metade das 1.600 dispensas registradas em janeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.