Tamanho do texto

Governo prevê forte queda nos preços com início da produção nacional dos equipamentos eletrônicos

A chegada de uma fábrica de R$ 20 bilhões para produzir tablets no Brasil deverá acelerar a tendência de queda nos preços desses produtos no País. Hoje esses aparelhos costumam custar mais de R$ 1,5 mil. A Motorola lançou ontem mesmo um novo equipamento por R$ 1,9 mil . Mas, em breve, o governo espera ver tablets vendidos a preços a partir de R$ 500 no varejo.

O preço desses produtos varia bastante, mas o governo espera que eles sejam reduzidos em média em 30% por conta das desonerações fiscais que foram levadas a audiência pública e devem ser publicadas oficialmente em cerca de um mês . São tantas as variações possíveis em um tablet – os mais vendidos no mundo são o iPad, da Apple, o Xoom, da Motorola, e o Galaxy Tab, da Samsung – quanto em um computador comum.

O governo quer criar uma indústria nacional desses equipamentos para fornecer para escolas e consumidores em geral no país e até para exportar. Depois de muito negociar com fabricantes nacionais, no mês passado o grupo educacional Estácio acabou decidindo por importar 6 mil desses produtos em vez de comprar daqui. Foi fechado um acordo com a Semp Toshiba para adquiri-los a preços abaixo de R$ 900, segundo a assessoria de imprensa da Estácio.

O modelo – de 10 polegadas, processador com 2 núcleos, acesso à rede Wi-Fi, modem 3G, plataforma Android, câmera, entrada USB e saída HDMI – é programado especialmente para a Estácio, que pretende levar o equipamento a todos os seus mais de 200 mil alunos e professores em um prazo de 5 anos.

Positivo lança tablet no 2º semestre

Além da Foxconn, a brasileira Positivo também promete, para o segundo semestre deste ano, o lançamento de um tablets feito no país. O preço ainda é desconhecido. A Positivo já é fornecedora do governo em programas como o Um computador por aluno, pelo qual se comprometeu a entregar 600 mil notebooks a Estados e municípios com acesso a financiamento do BNDES. A empresa, que possui o capital aberto em bolsa, está em período de silêncio e não confirma a data do lançamento.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse ao iG na semana passada que há expectativa para que outras empresas, além da Foxconn e da Positivo, tenham interesse em produzir tablets no Brasil com esses incentivos . Entre elas, o ministro cita a Motorola e Samsung. Durante a coletiva do lançamento do Xoom ontem, os executivos da Motorola disseram que irão fabricar o tablet em Jaguariúna (interior de SP), na fábrica da marca usada hoje para produzir de celulares. A Samsung, por sua vez, já fabrica a primeira versão do tablet Samsung Galaxy Tab em sua fábrica de Manaus (AM), mas o produto está enquadrado na categoria de smartphones (e, para receber os incentivos, teria de ser considerado computador).

Uma lógica do mundo industrial é de que a produção em escala tende a reduzir os preços por produtos. Daí a expectativa de que os tablets feitos aqui atendam ao mercado interno e também sejam vendidos para fora. Os incentivos fiscais valem nos dois casos, diz Bernardo.

Nesse sentido, o anúncio de investimento tão volumoso, com expectativa de geração de 100 mil empregos diretos reforça essa expectativa de que a Foxconn venha ao Brasil produzir também para exportar.

Redução de ICMS ajuda a derrubar preços

Porém, parte relevante da responsabilidade por oferecer incentivos fiscais e levar a um menor preço final dos produtos é dos Estados, que cobram o ICMS da produção e da venda de internet banda larga para os usuários do aparelho. Em São Paulo, entre outros estados, há também projetos para se oferecer isenções na produção, por isso a expectativa de que a Cidade Inteligente a ser instalada pela Foxconn fique nesse Estado .