Tamanho do texto

Ministra das Financas francesa, Christine Lagarde, esta na lideranca entre os candidatos

Líderes europeus corriam nesta sexta-feira para indicar um sucessor para Dominique Strauss-Kahn na chefia do Fundo Monetário Internacional (FMI), antes de uma cúpula do G8 na França na próxima semana. Por ora, a ministra das Finanças francesa, Christine Lagarde , está na liderança entre os candidatos.

Strauss-Kahn deve deixar a prisão sob fiança e ser colocado em prisão domiciliar, em meio a acusações de tentativa de estupro contra uma camareira de hotel. Ele nega.

A chanceler alemã, Angela Merkel, endossou o nome de Lagarde nesta sexta-feira, dizendo em uma entrevista: "Entre os nomes mencionados para a sucessão no FMI está o da ministra das Finanças francesa, Christine Lagarde, a quem eu dou uma nota alta".

Diplomatas disseram, no entanto, que alguns países da União Europeia questionaram a escolha dessa advogada que seria a primeira mulher à frente do FMI, já que no mês que vem uma corte especial deve decidir se ela deve ser investigada em um caso legal pendente.

Desde que Strauss-Kahn renunciou na quarta-feira, os governos da UE se apressam em buscar um substituto europeu antes que os países emergentes possam reunir forças para apontar um nome da região.

Jean-Claude Juncker, presidente do grupo de ministros europeus, e o primeir-ministro italiano, Silvio Berlusconi, também endossaram Lagarde, na quinta-feira.

Diplomatas disseram que o presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, e o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, estão tentando garantir um acordo sobre o nome de Lagarde depois de as três potências da região --Alemanha, França e Grã-Bretanha-- a endossarem.

"Houve contatos preliminares para checar se Christine Lagarde tem o apoio dos outros países, porque ela é considerada a melhor candidata na Europa", disse um diplomata. "Tem de ser uma rápida decisão. Seria melhor ter um consenso antes de se ir ao G8."

Os líderes do G8, EUA, Rússia, Japão, Canadá, Alemanha, França, Grã-Bretanha e Itália, mais a União Europeia, reúnem-se em 26 e 27 de maio.