Tamanho do texto

Viena, 11 mai (EFE).- O mundo, com a exceção da Europa ocidental e os países ricos da Ásia, consumirá mais petróleo em 2010 do que o previsto, conforme a análise do mercado que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) tornou público hoje.

Viena, 11 mai (EFE).- O mundo, com a exceção da Europa ocidental e os países ricos da Ásia, consumirá mais petróleo em 2010 do que o previsto, conforme a análise do mercado que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) tornou público hoje. Pelo novo levantamento, a demanda será de 85,38 milhões de barris diários (mbd). A revisão em alta é moderada, apenas 180 mil barris diários (ou 0,2%) sobre os cálculos que a Opep realizou em abril, mas segue apoiando a ideia de que a economia mundial está saindo da crise que atingiu a demanda petrolífera em 2009. De fato, o relatório de hoje revisa para baixo o consumo de petróleo no ano passado e a situa em 84,44 mbd, 1,7% inferior a de 2008. Os novos dados indicam que durante o ano o consumo será 1,12% superior ao de 2009, recuperando, se não totalmente, boa parte da queda de 2009. Nesse sentido, o reporte do grupo petroleiro mantém a previsão de que a economia mundial crescerá 3,5% em 2010, com o Japão, China e os Estados Unidos, puxando essa recuperação, enquanto a zona do euro fica atrás. Enquanto a Opep prevê avanços no consumo de petróleo nos EUA, Ásia e América Latina, as expectativas para a Europa ocidental é de queda de 3% com relação a 2009. "Na Europa, a perspectiva é mais dramática, com baixas do consumo de petróleo em quase todos os países", coloca o relatório. A análise destaca que na Alemanha, o maior consumidor europeu, tanto a redução da atividade industrial quanto a baixa do uso do gasóleo de calefação, apesar do inverno, são responsáveis da queda no consumo. Dessa forma, só as nações desenvolvidas do Pacífico (com uma queda de 0,15%) acompanham aos países ricos da Europa nessa queda do consumo. Por isso, a Opep coloca sua maior esperança nos EUA, do que diz "dependerá principalmente" a previsão de demanda em 2010. "Se a demanda nos Estados Unidos cair ligeiramente e ficar menor do que o esperado durante o pico de consumo no verão, a demanda total mundial de petróleo será menor do que estimado atualmente", assinalam os analistas da Opep. Em geral, advertem que a recuperação econômica e a do consumo de petróleo estão ainda na corda bamba. "Embora a recuperação econômica mostre sinais de uma crescente velocidade, seguem existindo riscos que poderiam afetar às expectativas de crescimento", indica o reporte. Sobre esses perigos, a Opep se refere a que "os desafios da dívida soberana nos países desenvolvidos, a capacidade da China de evitar o superaquecimento (da economia) e as persistentes e elevadas taxas de desemprego precisam de acompanhamento". Com relação à provisão, a Opep estima que seus concorrentes serão capazes de bombear até 51,67 mbd, o que unido aos 29,2 mbd que o grupo energético bombeou em abril e outras fontes secundárias, garante a demanda. A Opep calcula que a demanda de petróleo alcançará os 28,8 mbd, apenas acima da cota oficial de 28,4 mbd que bombeiam todos os países do grupo, sem contar ao Iraque. EFE