Tamanho do texto

Presidente do BNDES volta a defender a necessidade de medidas para aumentar a participação privada no investimento de longo prazo

Luciano Coutinho, presidente do BNDES:
AE
Luciano Coutinho, presidente do BNDES: "mania de indexação" é empecilho ao desenvolvimento
O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, disse nesta sexta-feira que acredita que a taxa de investimento possa superar os 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano, depois de ter ficado em 19,3% no ano passado.

Leia mais:  Taxa de investimento é 'ridícula', diz Ferraz, do BNDES

Em coletiva de imprensa para anunciar um acordo entre o BNDES e a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) , Coutinho voltou a defender a necessidade de sejam tomadas medidas para incentivar os investimentos privados de longo prazo, que devem contribuir juntamente com o banco de desenvolvimento para financiar os investimentos no Brasil.

"Se aumentarmos em quatro pontos percentuais [a relação entre o investimento e o PIB], o que significaria cerca de R$ 160 bilhões, é preciso que a participação privada aumente," afirmou. Segundo ele, o BNDES não deveria ficar responsável por "uns três quartos" do valor.

Coutinho disse ainda que a redução de taxas para o investimento de longo prazo está entre as possíveis medidas que podem ser estudadas e apresentadas ao Ministério da Fazenda e ao Banco Central para uma maior participação privada neste tipo de aportes.

Nesta semana, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, havia afirmando que o investimento no País precisará crescer algo em torno de 10% em 2012 , com relação ao ano passado, para chegar a 20,4% do PIB no final deste ano. Segundo o ministro, "não faltarão recursos" para que o País dobre a taxa de crescimento dos investimentos, que foi de cerca de 4% no ano passado.

Coutinho também afirmou que a "mania de indexação" de preços no Brasil é um empecilho ao desenvolvimento e comentou a redução do juro de curto prazo no Brasi, afirmando que ainda é alto, "mas está caindo".

Veja também: BNDES e Febraban fazem acordo para impulsionar financiamentos no País

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.