Tamanho do texto

Washington, 12 out (EFE).- O segundo vice-presidente e ministro da Economia espanhol, Pedro Solbes, descartou hoje a compra por parte do Governo de ações dos bancos, já que, segundo ele, no país as entidades financeiras não têm dificuldades para se recapitalizar.

"Espanha não precisa fazer isso", disse Solbes em coletiva de imprensa no Banco Mundial (BM), onde participa da assembléia anual do organismo e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

A França, anfitriã da cúpula extraordinária de chefes de Estado europeus, havia informado hoje que é "muito provável" que os países da Europa adquiram participações nos bancos.

Porém, segundo Solbes, o Governo espanhol não seguirá esses passos.

"A compra de ações de bancos é empregada quando há bancos que têm dificuldades em termos de recapitalização e, portanto, é preciso apoiar o banco. Essa não é a situação da Espanha no momento", disse o segundo vice-presidente segundo do Governo em coletiva.

Solbes explicou que o Governo espanhol está de acordo em permitir que outros países europeus façam intervenções direta nos bancos.

"Pensamos que a reconstituição do capital dos bancos é o ponto fundamental para voltar a ganhar confiança e em conseqüência que o sistema funcione melhor", frisou. EFE cma/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.