Tamanho do texto

RIO DE JANEIRO, 23 de fevereiro (Reuters) - As vendas no varejo brasileiro caíram inesperadamente no último mês do ano passado, encerrando a sequência de sete meses consecutivos de expansão, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira. A redução em dezembro ante novembro foi de 0,4 por cento. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve elevação de 9,1 por cento.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561244440&_c_=MiGComponente_C

Em 2009 como um todo, as vendas tiveram aumento de 5,9 por cento, seguindo a elevação de 9,1 por cento em 2008. Foi a menor alta desde 2005.

Economistas consultados pela Reuters previam um crescimento em dezembro mês a mês de 0,1 por cento e uma alta de 10,7 por cento ante o ano anterior. Para 2009, o prognóstico era de avanço de 6 por cento.

Em relação a novembro, quatro dos oito componentes tiveram resultado negativo, com destaque para Outros artigos de uso pessoal e doméstico, com baixa de 3,4 por cento, e Móveis e eletrodomésticos, com queda de 3,3 por cento. Na contramão, Livros, jornais, revistas e papelaria cresceram 1,6 por cento, e Combustíveis e lubrificantes, 0,7 por cento.

Ante o mesmo mês do ano anterior, todos os componentes registraram expansão. Os que tiveram mais peso no índice foram Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com alta de 9,7 por cento, Móveis e eletrodomésticos, com alta de 13,2 por cento, e Outros artigos de uso pessoal e doméstico, com expansão de 6,8 por cento.

Além do resultado negativo no mês, o IBGE também revisou para baixo o número de novembro sobre outubro. O aumento, anteriormente divulgado como 1,1 por cento, foi de 0,7 por cento, de acordo com o instituto.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.