Tamanho do texto

A rede jamaicana SuperClubs vai investir mais de R$ 500 milhões no Brasil até 2015, transformando o País no principal foco do crescimento da empresa, com 15 novos projetos previstos para os próximos cinco anos

selo

A rede jamaicana SuperClubs vai investir mais de R$ 500 milhões no Brasil até 2015, transformando o País no principal foco do crescimento da empresa, com 15 novos projetos previstos para os próximos cinco anos. O grupo, conhecido no País pelos resorts de luxo Breezes, vai diversificar sua atuação com uma bandeira voltada ao turismo de negócio, a Sonesta, e os resorts temáticos StarFish, de olho na classe média emergente. Segundo o diretor-geral do grupo, Xavier Veciana, a meta é fazer do Brasil o segundo maior mercado para o SuperClubs, depois do Caribe. Ele diz que, apesar de a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016 serem fatores de atração, a aposta no País transcende eventos específicos: “Queremos atingir a classe média brasileira, que está com mais renda disponível para viagens e turismo.” Com os investimentos, a rede jamaicana tenta avançar em um mercado que ganhou fôlego em 2010. De acordo com a consultoria Euromonitor, a receita do setor no País deve atingir US$ 5,4 bilhões este ano, um aumento de 17% sobre 2009. Os dados da Euromonitor mostram que a francesa Accor, dona de marcas como Mercure, Ibis e Formule 1, tem a dianteira folgada do mercado hoteleiro no Brasil, com mais de 10% do faturamento, seguida da americana Choice - das bandeiras Quality e Comfort -, com 2,8% das receitas. Estudo desenvolvido pela consultoria Jones Lang LaSalle mostra que mais de 70% dos 440 mil quartos que o País contabilizava em 2009 eram administrados por empresas independentes. Além disso, quase a metade da oferta está concentrada na Região Sudeste. O levantamento informa ainda que a ocupação dos hotéis brasileiros ficou em 62% no ano passado, em linha com os resultados apurados em 2007 e 2008. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.