Tamanho do texto

A Rio Tinto informou que planeja investir US$ 2 bilhões em um projeto de minério de ferro no leste da Índia, o maior investimento da mineradora australiana no país do sudeste asiático

selo

A Rio Tinto informou que planeja investir US$ 2 bilhões em um projeto de minério de ferro no leste da ¿?ndia, o maior investimento da mineradora australiana no país do sudeste asiático. Sam Walsh, diretor das operações globais de minério da companhia, disse que o projeto no Estado indiano de Orissa abastecerá clientes na ¿?ndia e no exterior. "Esse será o maior investimento da Austrália na ¿?ndia", afirmou Walsh após uma reunião de líderes empresariais australianos e indianos sobre os meios para alcançar um acordo de livre comércio entre os dois países. O executivo acrescentou que não está intimidado com as dificuldades encontradas por outras empresas do setor para obter aprovação para projetos na ¿?ndia. "Sou um homem muito paciente", declarou Walsh. "Vamos passar por todos os processos legais. Já estamos trabalhando com a comunidade local", informou. Os planos da sul-coreana Posco, anunciados em 2005, para construir uma unidade em Orissa, ainda não foram executados por causa da ampla oposição de moradores locais que tentam salvar as propriedades agrícolas e as florestas. A siderúrgica ArcelorMittal, controlada pelo bilionário indiano Lakshimi Mittal, também não conseguiu comprar terras para uma planejada unidade na mesma região. A industrialização tem sido defendida pelo governo da ¿?ndia como um meio de promover o crescimento e tirar milhões de pessoas da pobreza, mas projetos industriais têm criado batalhas entre grupos locais e empresas. "Nós levaremos nossos sistemas ambientais e de segurança e obviamente usaremos os moradores locais", disse Walsh. O executivo minimizou as preocupações dos investidores com um excesso de minério de ferro no mercado global em consequência da desaceleração econômica em mercados emergentes como ¿?ndia e China, que são grandes consumidores de minerais. "Nossas operações de baixo custo, combinadas com a pequena distância que temos da China e do mercado asiático, nos dá uma vantagem significativa", afirmou. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.