Tamanho do texto

Agência de classificação de risco Moody's afirma que parceria pesa nos lucros a curto prazo

A Peugeot Citroen teve seu rating de dívida rebaixado pelo Moody's nesta quinta-feira, que disse que a aliança proposta com a General Motors não resolveria os problemas da montadora francesa, ecoando preocupações de investidores sobre o acordo.

A agência de classificação de risco Moody's Investors Service rebaixou o rating de dívida em uma posição para "Ba1", a mais alta classificação "especulativa". A agência disse que a aliança com a GM pesaria nos lucros a curto-prazo -- e pode não levar às economias esperadas mais tarde.

"Fusões e alianças no segmento automotivo muitas vezes não resultaram em vantagens competitivas antecipadas e melhor performance", disse.

Leia também: indústria automobilística coleciona mais divórcios que uniões estáveis

A Peugeot disse que o escopo do rebaixamento foi contido por medidas adicionais de cortes de custos anunciadas no mês passado. "Nós antecipávamos isso", disse um porta-voz.

A medida da Moody colocou mais pressão sobre as ações da Peugeot, que haviam aberto em baixa após o anúncio na quarta-feira da parceira com a GM e um aumento de capital de 1 bilhão de euros. Os papéis recuaram 7,7% imediatamente após o rebaixamento.

Analistas também se mostravam céticos a respeito dos benefícios da parceria da Peugeot com a GM, dizendo que a aliança não ajudava a reduzir o excesso de capacidade de produção na Europa.

"A aliança não resolve o principal problema de ambos os parceiros", disse o analista Thomas Besson, do Bank of America Merrill Lynch."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.