Tamanho do texto

No primeiro trimestre, barril de petroleo brasileiro era vendido no mercado internacional por US$ 94, ante US$ 105 do tipo Brent

selo

O diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, afirmou nesta terça-feira em teleconferência com analistas e investidores que o preço do barril de petróleo extraído do pré-sal deverá ser superior ao do tipo Brent, negociado na Europa. Segundo ele, esta será uma das principais vantagens competitivas do Brasil no mercado internacional.

Atualmente, o petróleo brasileiro é mais pesado que o encontrado no mercado internacional, o que faz com que ele seja comercializado com preço inferior. No primeiro trimestre deste ano, o barril de petróleo brasileiro foi vendido no mercado internacional por US$ 94, ante US$ 105 do petróleo tipo Brent. A diferença média anterior costumava ficar em US$ 3, mas agora está em torno de US$ 11.

Isso ocorre porque as tensões no Oriente Médio e no norte da África fizeram com que ficasse mais escasso o petróleo do tipo leve vindo daquela região - especialmente da Líbia. Além disso, as refinarias que o recebiam estavam preparadas para refinar este tipo de óleo. Os mais pesados, como o do Brasil, não acompanharam este aumento da demanda e a simultânea redução da oferta.

Durante a teleconferência, Barbassa ressaltou que o conhecimento técnico que a Petrobras vem aprimorando em relação ao pré-sal tem permitido que a companhia reduza os custos de investimento na área.

Segundo ele, o tempo de perfuração de poços também vem caindo, o que permite derrubar ainda mais os custos. Em comparação com os primeiros poços perfurados em 2006 e 2007, disse Barbassa, já foi possível obter redução de 45% nos custos.

Aos investimentos previstos àquela época no entanto, somou-se o que deverá ser aplicado em novas áreas, como as recebidas da União por meio da cessão onerosa. Isso faz com que o valor presente líquido projetado para ser investido nas áreas do pré-sal aumente.

Numa antecipação do plano de investimentos para o período 2011-2015, a companhia apresentou recentemente a projeção de aumento dos investimentos no pré-sal, de US$ 33 bilhões para US$ 53 bilhões, já considerando a redução de custos e o aumento de projetos. O plano total dos investimentos da Petrobras ainda está sob análise.