Tamanho do texto

Fusão das duas cadeias de supermercados vai controlar o varejo alimentar na região Sudeste, sobretudo em São Paulo

Juntos, Pão de Açúcar e Carrefour vão controlar varejo alimentar em São Paulo
AE
Juntos, Pão de Açúcar e Carrefour vão controlar varejo alimentar em São Paulo
O Grupo Pão de Açúcar e o Carrefour já estão preparando uma proposta para levar ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que terá de aprovar a fusão das suas das duas maiores cadeias de supermercados e hipermercados do País.

O órgão antitruste já deu sinais de que será duro no julgamento de fusões desse porte ao impor, recentemente, fortes restrições à união da Sadia e Perdigão. O processo está em fase de julgamento no órgão antitruste.

“Estamos trabalhando uma proposta para o Cade”, disse Pércio de Souza, sócio da Estáter, escritório que desenhou e coordenou o acordo para a fusão do Grupo Pão de Açúcar e do Carrefour no Brasil.

O grande entrave para a aprovação da fusão está na região Sudeste, sobretudo no Estado de São Paulo, onde o Grupo Pão de Açúcar e o Carrefour praticamente controlam o varejo alimentar. O Grupo Pão de Açúcar possui 481 lojas no Sudeste, enquanto o Carrefour possui 548 filiais, segundo informações divulgadas hoje pela Estáter. O número representa mais da metade das lojas das duas varejistas em todo País.

As duas varejistas possuem uma presença bem menor em outras regiões, diferentemente do Walmart, que se fortaleceu no Nordeste e no Sul. No Sul, por exemplo, o Grupo Pão de Açúcar só possui quatro supermercados e dois hipermercados, enquanto o Carrefour possui 14 filiais. No Nordeste, o Grupo Pão de Açúcar possui 34 lojas e o Carrefour, 53.

Antes de ser aprovado pelo Cade, porém, acordo envolvendo a fusão do Pão de Açúcar e Carrefour proposto pela Estáter enfrentará uma prova ainda mais difícil. O acordo precisa passar pelo conselho de acionistas das duas companhias, no Brasil e na França. E é esperado que o grupo francês Casino, que divide o controle do Pão de Açúcar com o empresário Abilio Diniz, não aceite a proposta.

O Casino já move um processo contra Diniz em uma câmara de arbitragem em São Paulo por julgar que as conversas entre Abilio e o Carrefour desrespeitaram o acordo de acionista entre ambos.
A seu favor, o Grupo Pão de Açúcar e o Carrefour alegam que, juntas, as duas redes terão 27% do varejo alimentar brasileiro, se incluídas todas as regiões .

Walmart

“Nos Estados Unidos, o Walmart controla sozinho 32% do mercado”, afirma Claudio Galeazzi, sócio do BTG, fundo que também terá uma participação na nova estrutura acionária do Grupo Pão de Açúcar.

Outro argumento utilizado pelas empresas é que ainda existe uma elevado grau de informalidade no varejo de alimentos no Brasil. Se for levada em consideração os supermercados que trabalham na informalidade, o Carrefour e o Pão de Açúcar teriam, juntos, apenas 16% de participação no mercado nacional.

Veja também:

Ações do Pão de Açúcar lideram Ibovespa, em alta de quase 4%