Tamanho do texto

Os melhores profissionais brasileiros da indústria começam a competir por uma vaga no WorldSkills 2011. O evento é considerado o mais importante torneio de educação profissional voltado para a indústria. Neste ano, será realizado em Londres e reunirá profissionais de mais de 50 países.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561542964&_c_=MiGComponente_C

O brasileiro selecionado para ir à WorldSkills 2011 será o vencedor da Olimpíada do Conhecimento, promovida pelo Senai. As etapas estaduais já foram realizadas e a fase final acontece a partir de segunda-feira, dia 8, no Rio de Janeiro.  Em 2007, o Brasil chegou em segundo lugar na WorldSkills e ficou à frente da Alemanha, Estados Unidos e Japão.

Arte iG

A modernização da indústria tem exigido uma capacitação maior de seus profissionais. Números do Ministério do Trabalho e Emprego mostram que, há 20 anos, apenas 16% dos trabalhadores tinham o segundo grau completo. Em 2000, este percentual subiu para 26%. Em 2008, o mais recente levantamento da Rais ¿ Relação Anual de Informações Sociais ¿ mostrou que este total estava em 45%.

A evolução do setor também levou os profissionais para os bancos das universidades nos cursos de graduação e até mesmo mestrado. Do total de 9,8 milhões de empregados em 2008, 652.165 tinham nível superior completo e 2.127 concluíram o mestrado.

Ainda há deficiências

Contudo, apesar do aumento do nível educacional entre os profissionais da indústria nos últimos anos, o setor apresenta um índice inferior ao do setor de serviços. Os dados mais recentes da Rais mostram que 6,6% dos trabalhadores na indústria são graduados. No setor de serviço, esse número sobe para 18%.

Como os investimentos na indústria são mais caros do que para as empresas de serviços, os países emergentes acabaram conseguindo um desenvolvimento maior no setor de serviços, o que puxou a especialização dos profissionais, afirma o professor do Núcleo de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho do Instituto de Economia da Unicamp, Anselmo L. Santos.

O professor da Universidade de Brasília, Carlos Alberto Ramos, lembra ainda que historicamente e em todos os países os profissionais da indústria são menos qualificados. O equilíbrio dificilmente vai existir, mas a modernização da indústria tende a amenizar esta diferença, destaca.

Arte iG

Leia mais sobre: Petrobras

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.