Tamanho do texto

Skype será divisão de negócios da Microsoft, e seus serviços continuarão sendo oferecidos normalmente

A Microsoft concluiu hoje a compra do Skype, serviço de ligações telefônicas on-line, por US$ 8,5 bilhões. A companhia obteve, há uma semana, a autorização da Comissão Europeia para fechar o negócio, anunciado em maio. Era o passo que faltava para finalizar a aquisição, já aprovada pelos conselhos de administração das duas empresas.

Leia também:

Skype compra empresa de mensagens GroupMe

Donos do Skype lucrarão R$ 8 bilhões com venda para Microsoft

O Skype será uma divisão de negócios da Microsoft, informou a fabricante de software em um comunicado. Essa unidade ficará sob o comando de Tony Bates, atual executivo-chefe do Skype. Ele vai se reportar diretamente a Steve Ballmer, executivo-chefe da Microsoft. Os serviços do Skype vão continuar sendo oferecidos normalmente.

Mas, de acordo com o comunicado, no longo prazo eles serão integrados ao portfólio da Microsoft, com o objetivo de ampliar seu alcance. "Skype é uma marca fenomenal que é adorada por centenas de milhões de pessoas em todo o mundo", afirmou Ballmer no comunicado, disponível no site Microsoft Insiders Brasil. O Skype foi fundado em 2003 e desde então se tornou o serviço mais popular de chamadas telefônicas on-line em todo o mundo.

Porém, seus investidores sempre encontraram dificuldades para rentabilizar o negócio - as chamadas via Skype são gratuitas e, nos casos em que são pagas, os preços são baixos se comparados às tarifas de uma operadora convencional.

Em setembro de 2005, o Skype foi adquirido pelo eBay. Quatro anos mais tarde, passou às mãos de um grupo de investidores liderados pela Silver Lake, que negociou a venda da empresa para a Microsoft. O negócio ainda precisa ser aprovado pelas agências reguladoras de alguns países, mas a aprovação da Comissão Europeia era fundamental, já que a Microsoft tem um histórico de disputas com o órgão.