Tamanho do texto

Com preços dos combustíveis em alta, companhias cortaram projeção de ganhos em mais de 50%, para US$ 4 bilhões

As companhias aéreas cortaram suas expectativas de lucro em mais de 50%, para US$ 4 bilhões, nesta segunda-feira, pressionadas por preços elevados de combustível e problemas no Japão, norte da África e Oriente médio.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), que representa a maior parte das companhias aéreas do mundo, também alertou para uma guerra comercial se a Europa seguir com os planos de forçar as transportadoras a aderirem a uma nova regulamentação de controle de emissões de poluição no próximo ano. A China já avisou que vai apoiar uma eventual ação legal.

As companhias aeéeas afirmam que a nova regulamentação vai apenas aumentar os custos e adicionar pressão a um quadro de aperto causado pela fraqueza da economia global.

"Os ganhos de eficiência da última década e o fortalecimento do ambiente econômico global estão equilibrando o preço elevado do combustível", afirmou o diretor geral da Iata, Giovanni Bisignani, durante reunião anual da associação, em Cingapura.

"Mas com uma margem de lucro ínfima de 0,7%, há pouco espaço para se lidar com novos choques", acrescentou.

A previsão de lucro das companhias aéreas pela Iata, de US$ 4 bilhões em 2011, se compara à estimativa anterior de ganho de US$ 8,6 bilhões feita em 2 de março, pouco antes do terremoto no Japão ter disparado uma crise nuclear no país. Desde então, levantes políticos em países árabes se espalharam e os preços do petróleo passaram a ser negociados acima dos 100 dólares o barril.

A nova expectativa também marca uma queda de mais de 75% em relação ao lucro da indústria estimado para 2010, que foi elevado de US$ 16 bilhões para US$ 18 bilhões.

Economistas afirmam que o cenário da indústria é um referencial sobre o estado da recuperação dos mercados desenvolvidos e crescimento nas economias emergentes, que contam pesadamente com o transporte aéreo.

A Iata estima um barril de petróleo a US$ 110 o barril em média em 2011, alta de 15% sobre os US$ 96 de 2010, incentivando as companhias aéreas a aumentarem preços de passagens ou taxas de combustíveis para cobrir aumento de custos.

A entidade informou que prevê que a capacidade das companhias aéreas cresça 5,8% em 2011, acima da expansão de 4,7% esperada para a demanda. A diferença de 1,1 ponto percentual é maior que a de 0,3 ponto da estimativa anterior da Iata.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.