Tamanho do texto

As 20 companhias mais transnacionais ganham fôlego no exterior e acumulam mais de R$ 200 bilhões em ativos fora do Brasil.

Frigorífico JBS comprou rivais no Brasil e no exterior com ajuda do BNDES e cresceu 5.000% : exemplo eloquente do surgimento de um grande grupo brasileiro nos anos 2000
Getty Images
Frigorífico JBS comprou rivais no Brasil e no exterior com ajuda do BNDES e cresceu 5.000% : exemplo eloquente do surgimento de um grande grupo brasileiro nos anos 2000
A JBS-Friboi é primeira colocada no ranking de transnacionais brasileiras em 2011, pelo segundo ano consecutivo. É o que aponta um levantamento elaborado pela Fundação Dom Cabral com base em receita, ativos e número de funcionários de 65 companhias no ano passado.

A Stefanini, de tecnologia da informação, obteve o melhor crescimento no índice de internacionalização. Ela ficou em segundo lugar no ranking de 2011, um salto de 15 posições em relação a lista de 2010.

As companhias brasileiras estão presentes em 89 países e acumulam R$ 209 bilhões em ativos fora do País, um crescimento de 32,7% em relação ao ano anterior. As receitas das empresas no exterior cresceram 27%, um salto menor do que o obitido no País - de 45,3%.

O maior salto, no entanto, foi na margem de lucro – de 124%. O ranking de 2011 traz pela primeira vez margens semelhantes nas operações brasileiras e no exterior – de 15,8% e 15,6%, respectivamente. “Isso mostra uma maior eficiência das empresas em gerenciar custos no exterior”, afirma a professora Lívia Barakat, da Fundação Dom Cabral.

Veja as dez primeiras colocadas

1 - Jbs-Friboi
2 - Stefanini
3 - Gerdau
4 - Ibope
5 - Marfrig
6 - Metalfrio
7 -Odebrecht
8 - Suzano
9 - Sabó
10 - Vale