Tamanho do texto

As regionais Cruiser, Air Minas e Rico interromperam seus voos regulares no ano passado; Puma Air e Noar iniciaram operações

O setor de aviação perdeu três companhias em 2010. Das 18 empresas que iniciaram o ano em operação, as regionais Cruiser, Air Minas e Rico Linhas Aéreas deixaram de voar no decorrer do período. O setor recebeu duas novas marcas - Puma Air, focada na região Norte, e a Noar, no Nordeste - e encerrou o ano com 17 companhias ativas no transporte regular de passageiros.

Logo que pararam de voar, ainda no primeiro semestre do ano passado, a Rico, que atuava na região Norte, e a Air Minas, na região Sudeste, informaram, em nota, que estão reformulando suas malhas e que a suspensão das atividades é temporária. Até agora, elas não voltaram a voar. A Cruiser operava na região Centro-Oeste.

“Nós da Air Minas Linhas Aéreas vínhamos há muito avaliando detidamente esta relação [preço X custo] com foco nas aeronaves que operamos, e lamentavelmente não conseguimos prospectar uma forma de rentabilizar suas operações de forma sustentável, equilibrando a tendência mundial de custos e preços baixos”, afirmou a Air Minas, em comunicado ao mercado.

A mortalidade dessas empresas foi provocada, principalmente, por falhas na administração, afirma o consultor em aviação Nelson Riet, sócio da Aviation Management Consulting. “Apenas as empresas bem administradas vão sobreviver. As outras serão apetitosas para futuras aquisições”, diz.

A estratégia das companhias menores para viabilizar rotas regionais é apostar nas multifrequências, com horários convenientes para os passageiros. “Ninguém quer viajar um dia antes para fazer uma reunião porque não tem voos de manhã”, afirma o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (Abetar), Apostole Lazaro Chryssafidis.

Para ele, esse nicho é das companhias menores, já que as maiores não encontram demanda para encher aviões de grande porte em múltiplas freqüências diárias em cidades médias.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.