Tamanho do texto

Perfuração de novo poço na Bacia de Santos confirma potencial de petróleo e gás em até 8 bilhões de barris de óleo equivalente

A Petrobras e a petrolífera portuguesa Galp Energia afirmaram nesta sexta-feira que o nono poço exploratório em águas ultraprofundas da bacia de Santos confirmou o potencial de reservas de petróleo leve de Tupi entre 5 e 8 bilhões de barris de óleo equivalente.

"Esse poço comprova que a acumulação de petróleo não só se estende até o extremo sul da área do Plano de Avaliação de Tupi, como, também, que a espessura do reservatório com óleo chega a cerca de 128 metros, o que reduz as incertezas das estimativas de volume de hidrocarbonetos da área", afirmou a estatal brasileira em nota.

A Petrobras já havia afirmado em 6 de outubro que o oitavo poço perfurado havia reforçado a certeza com o volume da megareserva.

Segundo a Petrobras, operadora do consórcio que explora Tupi, o resultado da perfuração do nono poço "foi extremamente relevante, pois definiu, entre outras coisas, o nível de contato óleo/água no prospecto, que indicou a maior espessura de rocha com óleo para essa área entre as possibilidades estudadas".

Em Porto Alegre, onde concede coletiva nesta sexta-feira, o presidente da estatal, José Sergio Gabrielli, informou que até 2014 a estatal fará três projetos pilotos em Tupi, com o objetivo de testar tecnologias que permitam maior capacidade de extração do petróleo existente.

Além do grande volume recuperável estimado, o óleo de Tupi tem uma densidade de 28 graus API, o que lhe confere excelente valor comercial, destacou a estatal.

Dessa forma, a declaração de comercialidade da jazida está prevista para 31 de dezembro deste ano. "Até lá, serão perfurados, ainda, outros dois poços de delimitação."

A Galp Energia tem participação de 10% no consórcio que explora o poço, sendo que 65% pertencem à Petrobras e 25% ao BG Group.

A produtividade dos reservatórios do pré-sal no poço perfurado agora será avaliada por testes de formação programados para os próximos meses, segundo a Petrobras.

"Confirmadas as produtividades esperadas, o consórcio BMS-11 estudará a instalação, no sul da área de Tupi, de um dos primeiros navios-plataformas padronizados que estão sendo projetados para operar no présal da Bacia de Santos."

O 3-RJS-678, conhecido como Tupi SW e localizado a cerca de 290 km da costa do Rio de Janeiro, foi perfurado em uma lâmina d'água de 2.152 metros. Nos próximos meses, ocorrem teste de formação para avaliar a produtividade dos reservatórios do pré-sal no poço.

Com a perfuração de Tupi SW, ficaram comprovadas que a acumulação de petróleo se estende até ao extremo Sul da área do plano de avaliação de Tupi e que a espessura do reservatório com petróleo chega a cerca de 128 metros, o que reduz as incertezas das estimativas de volume de hidrocarbonetos da área, destacou a estatal em nota.

"Além do grande volume recuperável estimado, o óleo de Tupi tem uma densidade de 28º API, o que lhe confere excelente valor comercial. A declaração de comercialidade da jazida está prevista para 31 de dezembro deste ano. Até lá, serão perfurados, ainda, outros dois poços de delimitação", observou a Petrobras.

A companhia lembrou que, além dela, com 65% dos direitos exploratórios, integram o consórcio que desenvolve a produção no bloco BMS-11, onde está Tupi, o BG Group (25%) e a Galp Energia (10%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.