Tamanho do texto

Distribuidora de energia elétrica do Pará, controlada pelo grupo, se encontra em processo de recuperação judicial

A Rede Energia tem "absoluta confiança da viabilidade" da paraense Celpa, distribuidora de energia elétrica controlada pelo grupo e que se encontra em processo de recuperação judicial, disse nesta terça-feira o acionista controlador da companhia, Jorge Queiroz Jr.

Segundo o empresário, no final de 2011 os bancos cortaram o crédito à Celpa, em meio a notícias de tratativas para venda da distribuidora ou do Grupo Rede Energia.

"Sempre tivemos crédito junto ao setor bancário. No entanto, a partir de novembro do ano passado, com notícias de que queríamos vender a Celpa ou o Rede, os bancos cortaram o nosso crédito", afirmou ele durante reunião da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em que temas relacionados à Celpa estão na pauta.

De acordo com Queiroz Jr., até o fim de 2012 a Celpa atingirá as metas de qualidade exigidas pela Aneel relacionadas ao tempo médio e à frequência em que os consumidores ficam sem energia elétrica.

A Celpa tinha no fim de setembro dívida de cerca de 2 bilhões de reais. O endividamento consolidado da holding Rede Energia estava ao redor de 6 bilhões de reais.

"Nossa situação financeira se agravou por várias razões", afirmou Queiroz Jr. "Não tivemos retorno sobre investimentos, cometemos erros nas tarifas passadas e nos outros ciclos de revisão (tarifária)", afirmou, sobre a Celpa. "A situação se tornou dramática quando os bancos passaram a sequestrar o dinheiro das nossas contas."

A Celpa pediu à Aneel revisão extraordinária da tarifa, pleiteando reajuste de quase 27 por cento. O colegiado da Aneel negou o pedido por unanimidade.

O órgão regulador também debate a qualidade do serviço prestado pela Celpa, que distribui energia elétrica em todo o Estado do Pará e atende a mais de 1,6 milhão de clientes, beneficiando acima de sete milhões de habitantes.

Há uma semana, a Celpa entrou com pedido de recuperação judicial, diante do agravamento da condição financeira da empresa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.