Tamanho do texto

Bahia, Ceará e Mato Grosso receberão cerca de R$ 1 bilhão

Os estádios da Bahia, Ceará e Mato Grosso foram os três primeiros aprovados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para receber recursos que serão utilizados nas obras de reforma ou construção para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, anunciou o BNDES nesta quarta-feira.

O valor total aprovado, que supera a casa de R$ 1 bilhão, faz parte da linha de crédito de R$ 4,8 bilhões do banco destinada especialmente para as 12 arenas que receberão os jogos do Mundial. Os recursos anunciados nesta quarta serão destinados aos três governos estaduais, que são os responsáveis pelas obras.

No caso da Bahia, o financiamento será de R$ 323,6 milhões para a reconstrução da Fonte Nova. O antigo estádio já foi demolido e a nova arena, com capacidade para 50.273 pessoas, tem prazo de conclusão até dezembro de 2012, a tempo de ser utilizado na Copa das Confederações do ano seguinte.

O estádio de Salvador, que tem interesse em receber a partida de abertura da Copa do Mundo -- mas para isso precisaria aumentar sua capacidade -- terá como referência a arena de Hannover que foi utilizada na Copa de 2006 na Alemanha. O empréstimo do BNDES corresponde a 46% do valor total da obra.

As obras do Castelão, em Fortaleza, receberão financiamento de R$ 351,5 milhões (75% do custo da obra). O novo estádio, que também tem conclusão prevista para dezembro de 2012, terá capacidade para 66.500 pessoas e será a única das regiões Norte e Nordeste com condições de receber jogos das semifinais, de acordo com o caderno de encargos da Fifa.

Em Cuiabá, a arena Pantanal será construída com R$ 393 milhões de financiamento do BNDES, o que corresponde a 74% do investimento total. Para a Copa, o estádio terá capacidade para 42 mil pessoas, que depois será reduzida para 27 mil espectadores.

Das 12 cidades-sede da Copa de 2014, nove já apresentaram projetos ao BNDES em busca de financiamento, que pode ser de até R$ 400 milhões por estádio. A maioria das obras está atrasada, mas nos últimos meses houve avanços em estádios como o Maracanã e a Arena da Baixada, em Curitiba.

São Paulo é uma preocupação para os organizadores e a Fifa. Após o projeto do Morumbi ter sido vetado, o comitê da cidade anunciou no mês passado que a nova arena do Corinthians, que ainda não saiu do papel, será o palco da cidade no Mundial. O projeto, no entanto, ainda não foi apresentado à Fifa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.