Tamanho do texto

Empresa espera obter licença para termelétrica em Canas até o final do ano

A AES Tietê estima que os preços de energia no mercado fiquem entre 110 reais por megawatt-hora (MWh) e 130 reais por MWh no longo prazo, e quer construir posição de venda de energia no mercado livre até esse período.

"A nossa expectativa para preço de longo prazo está na faixa dos 110 reais por MWh a 130 reais. É nesse preço que a venda de energia de 2016 em diante estaria ocorrendo", disse o presidente da empresa, Britaldo Soares, em teleconferência com analistas nesta sexta-feira.

"A estratégia da AES Tietê é ir trabalhando no mercado livre até 2016", completou.

A empresa disse ainda que fechou contratos de 50 MW médios de energia, dos quais uma parte vai até 2015 e outra parte é referente a 2016.

TERMO SP

A AES Tietê espera obter a licença de instalação para a Termo São Paulo (550 Megawatts), termelétrica a gás natural a ser localizada na cidade de Canas (SP), até o final deste ano.

"Estamos trabalhando para que licença de instalação seja obtida até o final deste ano", disse o diretor vice-presidente e de Relações com Investidores, Rinaldo Pecchio Jr.

Entretanto, a empresa ainda não conseguiu garantir o fornecimento de gás natural para o projeto, mas continua em conversas com a Petrobras para obter o combustível.

As termelétricas a gás natural não tem conseguido garantir o gás natural por parte da fornecedora Petrobras, que diz não ter gás disponível, e a Termo São Paulo não pôde participar do leilão A-5 de 2011.

"Nosso esforço principal, obviamente, é junto à Petrobras, pelas razões naturais e também pelo fato de que o gasoduto que segue a região até o município de Canas tem exclusividade da Petrobras até 2016", disse Soares.

A Termo São Paulo faz parte do compromisso da AES Tietê com o Estado de São Paulo de expandir a sua capacidade de geração no Estado em 15 por cento. O investimento estimado para a usina é de 1,1 bilhão de reais.

"A nossa expectativa é de que vamos contar com um financiamento do BNDES", disse Soares. A AES Tietê disse ainda que a empresa avalia a venda de energia da usina no mercado livre.

(Reportagem de Anna Flávia Rochas; Edição de Sérgio Spagnuolo)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.