Tamanho do texto

Grupo Libra negocia participação em concessionária a fim de dar novo fôlego a investimentos em infraestrutura na região dos Lagos

Movimentação de carga no aeroporto de Cabo Frio: novo impulso para expansão da infraestrutura aérea
AE
Movimentação de carga no aeroporto de Cabo Frio: novo impulso para expansão da infraestrutura aérea
O aeroporto internacional de Cabo Frio, o único administrado pela iniciativa privada no País, deve ganhar um novo sócio: o grupo Libra.

Segundo apurou o iG , a empresa Costa do Sol, concessionária do aeroporto, está vendendo parte do capital ao grupo Libra, que atua na área de logística e terminais portuários e agora faz sua estreia no ramo de gestão de aeroportos.

Os donos do aeroporto de Cabo Frio procuram um sócio privado para dar novo fôlego em investimentos em infraestrutura.

O aeroporto foi inaugurado em 1998 numa parceria entre os governos federal e estadual, tendo sido municipalizado no ano seguinte. Foi quando a prefeitura de Cabo Frio decidiu privatizá-lo. A Costa do Sol, formada por empresários que passaram por empresas públicas do Rio de Janeiro, ganhou a concessão do aeroporto por 22 anos a partir de 2001.

A empresa já notificou a prefeitura de Cabo Frio – a documentação está na procuradoria do município. No entanto, ainda não houve a análise do negócio, exigência da lei municipal.

“Não posso comentar o assunto porque não recebi nenhum comunicado”, disse Ricardo Valentim de Azevedo, coordenador de Indústria, Comércio, Trabalho e Pesca do município de Cabo Frio e que irá analisar o processo quando chegar ao seu conhecimento. Ele é o responsável por aprovar mudanças na concessão do aeroporto.

De acordo com Azevedo, a empresa concessionária terá de ser mantida à frente da gestão, e o novo sócio terá de comprovar sua capacitação técnico-financeira para operar o aeroporto.

Modelo de gestão

Controlado pela iniciativa privada, o aeroporto de Cabo Frio tem sido apontado como modelo de gestão em meio ao caos aéreo dos aeroportos administrados pela Infraero. Sua grande vantagem é a agilidade na tomada de decisões.

A localização estratégica, próxima das bacias de Campos e Santos, o transformou em um dos principais aeroportos de cargas do País. Ele atende principalmente as empresas fornecedoras da Petrobras, mas leva também turistas as principais praias da região dos Lagos, no litoral fluminense.

Empresas aéreas como TAM, Trip, Lan, Absa e Centurion operam com voos para o Rio de Janeiro, São Paulo, Miami e Buenos Aires. A pista do aeroporto alcança os 2,5 mil metros de comprimento.

Com a entrada do novo sócio, o aeroporto poderá acelerar os projetos de expansão, como o desenvolvimento de um condomínio industrial no entorno. Não muito longe do aeroporto está praia do Forno, no município de Arraial do Cabo, local estratégico para futuros investimentos portuários voltados ao atendimento da demanda do pré-sal.

Em nota enviada ao iG , o grupo Libra, controlado pela família Borges Torrealba, confirma o interesse no negócio. No entanto, o grupo informou que não faria "mais comentários neste momento pois a negociação está sob avaliação de órgãos regulatórios pertinentes".

Segundo seu mais recente balanço publicado pela Libra Holding S/A, o grupo Libra apresentou receita operacional bruta de R$ 789 milhões e lucro líquido de R$ 91 milhões em 2009. O escritório de advocacia Pinheiro Neto assessorou o grupo.

A Costa do Sol tem como acionistas Francisco José Robertson Pinto (ex-diretor do Metrô do Rio), Murilo Siqueira Junqueira (ex-presidente da Flumintrens), Antonio Braz Bueno do Prado (ex-diretor da Companhia de Gás do Rio de Janeiro/CEG), coronel Jorge Schettini Seabra (ex-DAC), Paulo Roberto Cardoso, Luiz Cláudio Galrão Dias Lopes e Nelson Luiz Carlini. Procurada, a assessoria de imprensa da Costa do Sol não quis comentar o negócio.