Tamanho do texto

Pelo acordo, firmado com o controlador Jorge Queiroz de Moraes Junior, haverá a alienação do controle da endividada empresa elétrica para a Equatorial energia pelo valor de 1 real

Reuters

A Equatorial e a CPFL Energia fecharam um acordo com o controlador do Grupo Rede Energia no qual a Equatorial assumirá o controle da empresa, anunciaram as companhias nesta quarta-feira.

Pelo acordo, firmado com o controlador Jorge Queiroz de Moraes Junior, haverá a alienação do controle da endividada empresa elétrica para a Equatorial energia pelo valor de 1 real.

Uma segunda etapa do acordo envolve a realização, pela Equatorial e pela CPFL, de investimentos necessários para a recuperação do Grupo Rede, incluindo as concessionárias de distribuição controladas por ele e que estão sob intervenção da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Não foi especificado nos fatos relevantes divulgados pelas empresas qual seria a participação da CPFL no Grupo Rede, nem qual o montante a ser investido na empresa.

"A definição final depende da evolução das condições precedentes", segundo documento enviado pela CPFL à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O acordo está condicionado à autorização prévia da Aneel e à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), além dos credores do Grupo Rede e demais sociedades do grupo em recuperação judicial.

Em outubro, CPFL e Equatorial assinaram um memorando de entendimentos com o objetivo de assumir o controle do endividado Grupo Rede, 40 dias após o governo ter decretado intervenção em oito de suas nove distribuidoras.

Com isso, Moraes Junior vai alienar o controle das distribuidoras de energia Enersul, Cemat, Celtins, Caiuá, Bragantina, Nacional, Vale Paranapanema e Companhia Força e Luz do Oeste, que se encontram sob intervenção da Aneel.

No fim de agosto, a Aneel decretou a intervenção nessas oito distribuidoras do grupo, após o regulador ter estimado que o Grupo Rede tenha uma dívida total de cerca de R$ 5,7 bilhões.

A única distribuidora deixada de fora à época foi a Celpa, comprada pela Equatorial no fim de setembro, também por R$ 1.

No fim de novembro, o Grupo Rede ajuizou pedido de recuperação judicial em São Paulo.

(Por Sérgio Spagnuolo)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.