Tamanho do texto

Tarifa de energia cairá 16,7%, na média, no ano que vem, diante da adesão parcial de empresas elétricas à renovação antecipada e condicionada de concessões do setor

O governo federal não pode abrir mão do desconto de 20% na conta de luz, afirmou nesta terça-feira em nota a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

A tarifa de energia cairá 16,7%, na média, no ano que vem , diante da adesão parcial de empresas elétricas à renovação antecipada e condicionada de concessões do setor, ficando abaixo da redução prometida pela presidente Dilma Rousseff, de cerca de 20%.

Para a entidade, o governo não deve reabrir negociações com as empresas que não aderiram à renovação, mas levar esses ativos a leilão no fim dos contratos para garantir a redução na tarifa prometida para todos.

"O governo federal deveria aumentar a redução de encargos de forma transitória, entre 2013 e 2015, para garantir o desconto de 20%. A partir dos novos leilões, com a queda no preço da energia, a situação poderia ser reequilibrada", disse a Fiesp, em nota.

O revés ao plano do governo federal veio das estatais estaduais Cesp, de São Paulo, Cemig, de Minas Gerais, e Copel, do Paraná, que optaram por não prorrogar os contratos de suas hidrelétricas nos moldes propostos pela União, com redução em torno de 70% da tarifa.

(Reportagem de Juliana Schincariol)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.