Tamanho do texto

Grandes empresas participam do projeto do Porto Maravilha e o desembolso já atingiu R$ 1 bilhão em um ano

Com projeto similar ao de Puerto Madero, em Buenos Aires, e com significativo atraso em relação a outros países, o Porto do Rio começa a ganhar nova cara com o Projeto Porto Maravilha, orçado em R$ 7,6 bilhões e realizado por meio de uma parceria público-privada. A previsão é de que as obras sejam concluídas até 2015. Do total, R$ 4,1 bilhões serão aplicados em revitalização, reurbanização e infraestrutura e os R$ 3,5 bilhões restantes representam prestação de serviços municipais.

Segundo Sérgio Lopes, diretor financeiro da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio (Cdurp), em pouco mais de um ano de obras, os recursos já estão garantidos e o cronograma está adiantado. Até o momento, R$ 1 bilhão já foram empregados. O projeto inclui uma das intervenções mais discutidas pelos cariocas: a derrubada do elevado da Perimetral.

A vocação imobiliária da área, com potencial de construção de quatro milhões de metros quadrados, tem se confirmado, com o interesse de grandes empresas, algumas com as obras já iniciadas. “Grandes empresas, como a Tishman, já começaram a construir. Temos 70 projetos aprovados e outros 39 estão em análise na prefeitura”, diz Lopes.

Além de hotéis e centros de convenções, importantes para que a cidade torne um centro de negócios cada vez mais forte, a área vai abrigar diversos edifícios comerciais. Para Marcelo Haddad, diretor-executivo da Rio Negócios, agência promotora de investimentos na capital carioca, o aumento da oferta de escritórios na região vai ser importante para combater uma das principais críticas dos empresários que desejam vir para o Rio: o custo.

“Várias empresas falam que o Rio é caro. Com a oferta de escritórios, nossa capacidade de atração de negócios se multiplica”, explica Haddad, ressaltando, porém, que o projeto vai ser relevante também para as outras áreas centrais do Rio. “O Porto Maravilha vai trazer para a cidade do Rio uma qualidade de instalações rara no Centro. Vai gerar atração, mas também migração. Parte deste Centro ‘atual’ deve começar a se qualificar quanto às instalações, para não perder seus clientes para o Porto”, completa.

A revitalização e o fato de cada vez mais empresas se instalarem na região devem incentivar que o número de moradores locais salte dos atuais 20 mil para mais de 100 mil até o final das obras. Apenas o Porto Olímpico — que englobará equipamentos não esportivos para a Olimpíada de 2016, como a Vila de Mídia, a Vila dos Árbitros, além de dois centros de tecnologia e logística — vai ter 1330 apartamentos, que após os Jogos, serão postos à venda para servidores públicos municipais. Entre as obras que em breve vão mudar a paisagem do Porto do Rio, estão o Centro Cultural José Bonifácio, o Museu de Arte do Rio, a revitalização dos galpões da Gamboa e o Museu do Amanhã, que será entregue ao público em julho de 2014.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.