Tamanho do texto

Trabalhadores afirmam que a empresa não apresentou reajuste salarial e reivindicam pagamento de um adicional de produtividade e de participação nos lucros e resultados

Agência Estado

A Odebrecht Infraestrutura esclareceu nesta terça-feira, por meio de nota, que as obras de construção da ferrovia Transnordestina não estão totalmente paralisadas, conforme haviam informado pela manhã representantes dos trabalhadores. De acordo com a companhia, cerca de 49% do efetivo de operários aderiram à paralisação nos Estados de Pernambuco e Ceará. No Piauí, entretanto, os trabalhos estariam transcorrendo normalmente.

Os trabalhadores reivindicam pagamento de um adicional de produtividade e da participação dos lucros e resultados. Mas, segundo a Odebrecht, esses valores foram pagos no fim de outubro. A empresa também alega que está aberta para negociações com relação ao acordo coletivo de trabalho cuja data-base é 1º de novembro.

Leia também: Porto no Maranhão terá capacidade para 15 mi toneladas de grãos ao ano

Os trabalhadores informam que, até hoje, a empresa não apresentou uma proposta de reajuste salarial, mas a companhia afirma que existiram encontros com os sindicatos em outubro. "A Odebrecht cumpre integralmente os direitos trabalhistas, com base na legislação, e está aberta a negociações", diz a nota.

De acordo com os trabalhadores, está previsto para a tarde da quarta-feira, no Recife, uma reunião com a empresa e com representantes do Ministério do Trabalho para tentativa de se chegar a um acordo.

Previsto originalmente para estar concluído em 2010, o projeto que liga o Piauí aos portos de Pecém (CE) e Suape (PE) tem sofrido consequentes atrasos e a nova estimativa de conclusão das obras é o fim de 2014.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.