Tamanho do texto

Segundo presidente da Cemig, Djalma Morais, as indenizações e as tarifas que o governo divulgou na semana passada ficaram "bem abaixo" do que a companhia esperava

Agência Estado

O presidente da Cemig, Djalma Morais, afirmou nesta terça-feira que espera mudanças na Medida Provisória 579, em tramitação no Congresso, que trata da renovação das concessões do setor elétrico. Segundo ele, as indenizações e as tarifas que o governo divulgou na semana passada ficaram "bem abaixo" do que a companhia esperava.

Veja também:  Comissão quer votar parecer da MP de energia até 25 de novembro

Em ativos de transmissão, Morais disse que a companhia esperava receber mais de R$ 1 bilhão em indenizações, mas vai receber R$ 285 milhões. 

A empresa não apresentou pedido para renovar as concessões das usinas hidrelétricas de São Simão, Jaguara e Miranda porque espera que o Congresso permita uma prorrogação dos contratos por mais 20 anos, conforme a legislação anterior à MP 579 - com as atuais tarifas, sem a redução anunciada pelo governo.

Veja também:  Indenizações no setor de energia somam R$ 20 bilhões

Em relação às concessões de ativos para os quais a empresa pediu a renovação, Morais afirmou que a decisão final sairá em assembleia marcada para o dia 3 de dezembro. A data limite para assinatura dos contratos é 4 de dezembro.

Veja também: Empresas de energia podem perder 70% da receita

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.