Tamanho do texto

Com cerca de R$ 2 mil em equipamentos, é possível virar um microempreendedor ilegal e abrir uma produtora de DVDs piratas de filmes, jogos e programas de computador na cidade

Agência Estado

Com cerca de R$ 2 mil em equipamentos, é possível virar um microempreendedor ilegal e abrir uma produtora de DVDs piratas de filmes, jogos e programas de computador na cidade. Escondidas em apartamentos, pequenas fabriquetas alimentam o milionário mercado da pirataria exposto em bancas nas ruas da Grande São Paulo.

Leia também:  Manifestantes protestam contra lei anti-pirataria nos EUA

Sem nenhuma dificuldade, o material pode ser comprado na zona central ou pela internet. O principal equipamento consiste em uma duplicadora de DVDs, que custa a partir de R$ 1.300. Para completar a fábrica, basta uma impressora de R$ 700 e R$ 500 em material (mídia, envelope plástico, impressão da capa).

João (nome fictício) transformou sua casa em produtora de DVDs piratas. No caso dele, não foi necessário nem comprar o equipamento. "Ganhei tudo. Não gastava nada. Um intermediário vinha todos os dias com a matéria-prima e pagava pelo que eu produzia."

Leia mais:  Polícia prende acusados de pirataria

Por DVD, recebia R$ 0,25. "Produzia 60 mil cópias por mês. Ele comprava tudo", diz o homem. A renda, conta o homem, era de aproximadamente R$ 12 mil mensais. Há alguns meses, o intermediário - conhecido no mercado da pirataria como "cavalo" - sumiu e João diz ter sido forçado a abandonar o esquema.

A casa dele era só uma entre muitas células de uma rede cada vez mais descentralizada e complexa. Parte imensa dessa estrutura é formada por pequenas fábricas, onde famílias passam o dia copiando DVDs. Ou, como se diz no meio, "queimando esfihas". O sigilo e a discrição são fundamentais para que o esquema não seja descoberto. Por isso, quem trabalha com esse tipo de negócio costuma ter cuidado até para jogar os restos dos materiais usados.

Leia ainda:  Paulo Coelho declara apoio à pirataria de livros

Em áreas da região central, como 25 de Março e Santa Ifigênia, fabricantes da pirataria podem ser reconhecidos pelas mãos sujas de tinta - resultado da manipulação constante da impressora, usada principalmente nas faces de DVDs de games, mais valorizados.

Na quinta-feira, policiais do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado de São Paulo (Deic) descobriram mais uma dessas pequenas produtoras de DVDs em um apartamento no segundo andar de um prédio na Avenida do Estado. O rapaz detido, de 24 anos, alegou que estava desempregado e passou a trabalhar sob encomenda. Onze copiadoras foram apreendidas.

"Os esquemas são muito simplórios. Mas, como esses laboratórios são muito pulverizados pela cidade, dá trabalho descobri-los", diz o delegado Roberto Campos, titular do setor antipirataria do Deic. Chegar a uma pequena produtora pode demorar meses e exigir até infiltração de policiais.

Eventualmente, produtoras um pouco maiores são descobertas. Em julho, a Guarda Civil Metropolitana (GCM)encontrou 42 computadores que copiavam DVDs ininterruptamente no Parque D. Pedro - mais de 2 milhões deles foram apreendidos de uma tacada só.

Para o presidente do Fórum Nacional Contra a Pirataria, Edson Luiz Vismona, a pulverização da produção acaba possibilitando que os chefões do crime continuem impunes. "Você já tem linhas de investigação em andamento para identificar esses 'players' da ilegalidade, mas a dificuldade é grande."

Lucro

Quem atua no ramo afirma que não é só quem produz e vende pirataria que lucra. O mercado ilegal alimenta também uma rede formada por gráficas, produtores de envelopes plásticos, venda de mídias e cartuchos de impressora, entre outros.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.