Tamanho do texto

Região portuária do Rio terá investimentos de R$ 8 bilhões, com empreendimentos imobiliários e hoteleiros que contaram com incentivos fiscais

Reeleito no primeiro turno com votação histórica, o prefeito Eduardo Paes deve boa parte do sucesso nas urnas à Copa do Mundo e à Olimpíada de 2016. Ele, que se intitula o síndico da cidade, irá orquestrar a realização dos dois megaeventos no Rio de Janeiro. A capital fluminense tem recebido volumosos recursos do governo federal e de Parcerias Público-Privadas (PPP) para obras de infraestrutura e construção ou reforma de equipamentos esportivos. A prefeitura garante que todas as obras estão dentro do cronograma previsto.

Infraestrutura de telecomunicações estará pronta a tempo para Copa e Olimpíada

Infraero busca capital hoteleiro

No caso da Copa, cerca de R$ 30 bilhões estão sendo disponibilizados pelo governo federal para obras de transporte. O orçamento para a Olimpíada, conforme apresentado no dossiê de candidatura, chegaria a R$ 28,8 bilhões. Paes admitiu que o Rio não será Londres, ao se referir às condições de infraestrutura que serão inferiores às vistas nos jogos do país europeu. Pela própria configuração da cidade e pelo fato de a malha de metrô, trens e demais modais de transporte ser menor, ele disse que a cidade terá alguns problemas de mobilidade. Entre as obras que podem ser vistas saindo do papel estão os corredores expressos de ônibus, os chamados BRTs.

O Porto Maravilha, outra obra em andamento, terá vias de acesso por meio dos Veículos Leves sobre Trilhos (VLT). A região portuária terá investimentos de R$ 8 bilhões, com empreendimentos imobiliários e hoteleiros que contaram incentivos fiscais.

O estádio do Maracanã, obra que faz parte dos equipamentos para a Copa de 2014, deverá ter sua licitação anunciada este mês pelo governo federal. A IMX, empresa do Grupo EBX, do empresário Eike Batista, já preparou estudo de viabilidade. Pelas contas da Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (Emop), 70% das obras estão concluídas. O custo do estádio é de R$ 860 milhões.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas