Tamanho do texto

Contratos de longo prazo a preços cada vez mais competitivos provocam uma tendência de queda nas tarifas para os geradores

Reuters

A expansão planejada da energia eólica na matriz elétrica brasileira em cerca de cinco vezes até 2016 criará desafios para o setor no país, avaliou a agência de classificação de riscos Moody's nesta quarta-feira.

Leia mais:  32 parques eólicos leiloados em 2009 estão parados

A energia eólica no Brasil tem sido viabilizada em contratos de longo prazo a preços considerados cada vez mais competitivos, provocando uma tendência de queda nas tarifas para os geradores.

Além disso, a intermitência da energia eólica é um desafio adicional para a rede de transmissão, segundo a Moody's.

"Devido a sua variabilidade, a energia eólica elevará a complexidade das operações e será necessária uma capacidade adicional de outras fontes para suportá-la", segundo a agência.

A Moody's acrescentou ser importante que os projetos eólicos atinjam de fato os fatores de capacidade planejados, já que os estudos dessa fonte de energia no Brasil "são baseados em dados históricos limitados". Conforme a agência, "previsões excessivamente otimistas poderiam levar à insuficiência de fluxo de caixa para alguns projetos".

(Por Anna Flávia Rochas)

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.