Tamanho do texto

"Não adianta você fazer uma concessão para uma empresa que não tem condições de tocá-la", disse Bernardo Figueiredo, presidente da nova estatal de logística

Agência Estado

Figueiredo defende pré-qualificação em licitações
Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Figueiredo defende pré-qualificação em licitações

O presidente da Empresa de Planejamento Logístico (EPL), Bernardo Figueiredo, defendeu nesta quinta-feira que haja restrição aos participantes de leilões em processos de concessão no País como forma de selecionar grupos mais bem qualificados. "Não adianta você fazer uma concessão para uma empresa que não tem condições de tocá-la", declarou após participar do Fórum Nacional, no Rio.

Figueiredo referia-se às novas concessões que vêm pela frente, entre as quais o trem de alta velocidade (TAV) ligando Campinas, São Paulo e Rio, de aeroportos e de ferrovias.

Segundo ele, órgãos como o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União (TCU) entendem, por outro lado, que não se deve restringir a competitividade. "Existe essa discussão que tem que se fazer, mas nós entendemos que tem que ser um processo qualificado", afirmou.

Figueiredo avaliou que uma etapa de pré-qualificação não seria a melhor maneira de fazer essa restrição. "Quando você faz uma pré-qualificação antes, todo mundo sabe quem vai entrar, então você corre risco de haver conluio entre participantes para formar um preço", disse o executivo.