Tamanho do texto

Federação diz também que a campanha Energia a Preço Justo pede que o governo cumpra Constituição e realize leilões das concessões do setor elétrico, que vencem a partir de 2015

Agência Estado

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) afirma, em nota, que o anúncio da presidente Dilma Rousseff em seu pronunciamento oficial, na quinta-feira (6) à noite, vem ao encontro da campanha da Federação no que se refere a proporcionar um desconto de 16,2% para os consumidores residenciais e até 28% para o setor produtivo na conta de luz.

VejaIndústria ganhará com energia mais barata, diz CNI

"A Fiesp, há um ano e meio, vem defendendo incansavelmente a redução do preço da energia no País, um dos mais importantes componentes do Custo Brasil e que afeta linearmente todos os brasileiros", diz a Fiesp na nota. A Federação diz também que a campanha Energia a Preço Justo pede que o governo cumpra a Constituição e realize os leilões das concessões do setor elétrico, que vencem a partir de 2015, "de forma a garantir que o País possa usufruir as vantagens de poder produzir energia da forma mais barata que existe, nas hidrelétricas".

"Não há sentido em pagar a terceira conta de luz mais cara do mundo", diz Paulo Skaf, presidente da entidade, também na nota. "O anúncio feito hoje (na quinta-feira, 6) é muito importante e mostra que a Fiesp conseguiu colocar a questão do preço da energia na pauta de discussões. Considero esta uma vitória de todos nós, brasileiros, que precisamos de preços justos e condições justas para fazer o País crescer tudo o ele pode crescer", afirma o presidente da federação.

LeiaDilma anuncia redução de 16,2% na conta de luz para casas e 28% para indústrias

"Vamos agora analisar a questão do vencimento das concessões para verificar o caminho tomado pelo governo, confirmar se ele é legal e constitucional e garante a maior redução possível nas contas de luz", acrescenta.