Tamanho do texto

CEO do Grupo Mota-Engil cobra parceria com grandes empreiteiras brasileiras no projeto de infraestrutura de R$ 133 bilhões anunciado recentemente por Dilma

Agência Estado

O executivo Jorge Coelho, CEO do Grupo Mota-Engil, maior companhia portuguesa de engenharia e infraestrutura, cobrou nesta quarta-feira um tratamento igual de empresas estrangeiras e brasileiras na disputa pelas obras do pacote de R$ 133 bilhões, anunciado no mês passado pelo governo Dilma Rousseff .

"Esperamos que não haja limitações a estrangeiros e queremos garantias de concorrência com os brasileiros", disse Coelho, durante seminário sobre relações bilaterais entre Brasil e Portugal, em São Paulo. Coelho pediu ainda parcerias com as companhias brasileiras, como que as que o Grupo Mota-Engil mantém com os grupos Camargo Corrêa e Odebrecht em obras em países africanos. "É necessário a parceria entre as empresas dos dois países nesse pacote, como já fazemos.

As empresas portuguesas podem contribuir com conhecimento técnico e compartilhar os riscos logísticos", disse o CEO do Grupo Mota-Engil. Além de cobrar a igualdade de tratamento, o executivo criticou o fato de os engenheiros portugueses não terem o registro profissional e nem o diploma reconhecidos no Brasil. A crítica também foi feita, no mesmo seminário, pelo ministro de Negócios Estrangeiros de Portugal, Paulo Portas.