Tamanho do texto

Presidente da filial brasileira defende uso da experiência da companhia chinesa para modernização da rede

Reuters

Empresa chinesa State Grid busca expansão no Brasil por meio do setor de transmissão
Getty Images
Empresa chinesa State Grid busca expansão no Brasil por meio do setor de transmissão

A empresa chinesa de energia State Grid quer investir US$ 5 bilhões (R$ 10 bilhões) no Brasil até 2015 e vê oportunidades em todos os segmentos do setor elétrico no país, afirmou o presidente da unidade brasileira da companhia, Cai Hongxian.

"Existem muitas oportunidades de investimento em geração, transmissão e distribuição", disse o executivo à Reuters nesta segunda-feira, por telefone.

"A State Grid quer ser tratada como uma empresa local. Nós agimos como um 'player' local e queremos ser tratados como tal."

No segmento de distribuição de energia, Cai considera que a State Grid pode colaborar com sua experiência nessa área na China para ajudar na modernização das redes no Brasil, embora não identifique atualmente nenhuma oportunidade firme de aquisição.

"Estamos muito interessados em expandir os nossos negócios no Brasil. Mas, neste momento, estamos focados em transmissão."

A State Grid chegou a avaliar os ativos do Grupo Rede Energia no passado, porém definiu que a aquisição não seria atrativa.

Atualmente, o grupo chinês não tem uma posição definida sobre o Grupo Rede, com dívidas de R$ 5,7 bilhões e que teve oito de suas nove distribuidoras com intervenção decretada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na última sexta-feira.

Cai considera que existem desafios para administração de empresas de distribuição em áreas de pouca densidade demográfica, como é o caso de algumas unidades do Grupo Rede.

A forma de entrada da State Grid no negócio de distribuição de energia no Brasil não está claramente definida, mas Cai mencionou, por exemplo, serviços de consultoria.

O presidente da State Grid Brazil Holding disse que é preciso haver algum tipo de mudança para estimular maior investimento na modernização das redes de distribuição de energia no país, mas não entrou em detalhes.

O grupo chinês desembarcou no Brasil em 2010, quando comprou ativos da Plena Transmissora. Em maio deste ano, arrematou sete linhas de transmissão de energia no país da espanhola ACS.

Entre as duas aquisições, a State Grid participou de leilões de linhas de transmissão.

Em dezembro passado, venceu um lote para construção de duas substações em consórcio formado com a estatal Furnas, do grupo Eletrobras. Em março deste ano, deu o melhor lance por dois lotes de transmissão que farão a interconexão das hidrelétricas do rio Teles Pires, desta vez em parceria com a paraense Copel.

LEILÕES

A State Grid pretende ir ao leilão de transmissão de energia que licitará sistemas que fazem parte da conexão relacionada à hidrelétrica Belo Monte, chamados "pré-Belo Monte", que é o próximo certame esperado para 2012

"Sim, estamos avaliando a participação com um parceiro local", disse Cai, acrescentando que a empresa ainda não definiu a parceria nem quais lotes irá disputar.

A State Grid também tem interesse em disputar o leilão de energia A-5, que contratará energia a ser entregue a partir de 2017 e está marcado para outubro, na disputa pelas hidrelétricas --algo que marcaria a entrada da empresa chinesa no segmento de geração no país.

Por Anna Flávia Rochas