Tamanho do texto

Levantamento considerou empresas de capital aberto dos ramos de construção civil, locação de imóveis e empreendimentos imobiliários da América Latina e dos Estados Unidos

Agência Estado

A brasileira PDG Realty é a empresa que registrou o maior prejuízo no segundo trimestre de 2012 entre as companhias de capital aberto dos ramos de construção civil, locação de imóveis e empreendimentos imobiliários da América Latina e dos Estados Unidos, conforme levantamento da consultoria Economatica. No período, a PDG apresentou prejuízo líquido de US$ 222,6 milhões.

A Economatica destaca que, no segundo trimestre de 2011, a PDG Realty foi a empresa mais lucrativa da amostra, com lucro líquido de US$ 154,6 milhões. A segunda empresa com maior prejuízo no segundo trimestre de 2012 é outra brasileira, Brookfield, com perda de US$ 189,7 milhões. Entre as dez companhias da amostra com maiores prejuízos no segundo trimestre, há cinco brasileiras, duas mexicanas, duas americanas e uma argentina.

VejaPDG tem prejuízo ajustado de R$ 437,5 milhões no 2º trimestre

As outras três brasileiras da lista são General Shopping (-US$ 38,579 milhões), Viver (-US$ 21,217 milhões) e João Fortes (-US$ 12,371 milhões). No mesmo período de 2011, todas as cinco brasileiras da lista registraram lucro.

Mais lucrativas

Ainda conforme o levantamento da Economatica, há seis empresas do Brasil entre as dez mais lucrativas do setor no segundo trimestre de 2012.

A BrMalls Participações, que aparece em 3º lugar no ranking, com lucro líquido US$ 228,4 milhões, é a brasileira melhor colocada. A BR Properties figura em 4º lugar, com lucro líquido de US$ 164,4 milhões; MRV, em 6º, com US$ 71,9 milhões; Cyrela Brazil Realty, em 7º (US$ 70,6 milhões); São Carlos Participações, em 8º (US$ 68 milhões); e Sonae Sierra Brasil, em 9º (US$ 52,4 milhões). O maior lucro líquido do segundo trimestre foi obtido pela americana Horton (US$ 787,8 milhões), seguida pela Lennar, também dos Estados Unidos (US$ 452,7 milhões).