Tamanho do texto

Até 2020 cerca de 6% da energia brasileira será produzida por meio de parques de geração eólica; saiba onde eles ficam

O litoral cearense foi tomado por torres de 80 metros que produzem energia através do vento
Haroldo Saboia
O litoral cearense foi tomado por torres de 80 metros que produzem energia através do vento

A capacidade de produzir energia a partir da força dos ventos deixou de ser apenas um plano ambicioso desenhado por ambientalistas visionários há alguns anos. Crescendo anualmente a taxas de dois dígitos, a indústria da energia eólica movimenta bilhões em todo o mundo. Hoje, de acordo com dados da Associação Mundial de Energia Eólica, as gigantescas turbinas brancas que giram incessantemente em diversas partes do planeta já são capazes de produzir quase 240 mil megawatts. Isso equivale à produção combinada de cerca de 18 usinas hidrelétricas como a de Itaipu, a segunda maior do mundo.

Leia também:  BNDES libera R$ 378 mi para cinco novos parques eólicos

Dono de uma das matrizes energéticas mais limpas do planeta, o Brasil entrou tarde na corrida da energia dos ventos. Com projetos começando a sair do papel nos próximos anos, a capacidade instalada do país, hoje, 10% de Itaipu, para manter a comparação com a usina hidrelétrica instalada na fronteira do Brasil com o Paraguai. São, ao todo, 1,5 mil megawatts de capacidade.

Veja mais: Iberdrola e Neoenergia investirão R$ 777 milhões em parques eólicos no Nordeste

A estimativa, no entanto, é de que a produção de energia eólica cresça vertiginosamente no país nos próximos anos. Pelas estimativas da Aneel, em 2020 a capacidade instalada brasileira deve ser da ordem de cerca de 10 mil megawatts e responder por cerca de 6,7% da matriz energética brasileira. Hoje a energia retirada dos ventos responde por pouco mais de 1% de nossa matriz.

No infográfico abaixo, veja onde estão instalados os parques eólicos brasileiros hoje e onde eles estarão no futuro - o levantamento é da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica).



    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.