Tamanho do texto

Instituições citaram congestionamentos durante a Rio+20 como exemplo para justificar importância de investir em transportes

Um grupo formado por oito dos maiores bancos multilaterais de desenvolvimento no mundo anunciou, nesta quarta-feira (20), durante a Rio+20 , o compromisso de investir US$ 175 bilhões na criação de sistemas de transportes mais sustentáveis nos próximos 10 anos. Entre os bancos signatários do acordo estão o Banco Mundial, o Banco de Desenvolvimento da América Latina e o Banco Europeu de Investimento.

Saiba mais sobre a Rio + 20 no especial do iG

“O congestionamento, a poluição, os acidentes de trânsito e a mudança climática associada aos transportes podem custar de 5% a 10% do PIB por ano. E, apesar de sua importância, o transporte tem sido negligenciado pelas políticas de incentivo dos governos”, afirmou Haurihiko Kuroda, presidente do Asian Development Bank, que também assumiu o compromisso de investir em transportes sustentáveis.

Para ilustrar a necessidade de investir em transportes sustentáveis, as instituições não pouparam nem mesmo os anfitriões da Conferência para o Desenvolvimento Sustentável da ONU. “Os participantes da Rio+20 já observaram o preço pago diariamente pelo congestionamento de tráfego e o cruzamento inseguro das vias”, afirmou Michael Replogle, diretor de políticas globais e fundador do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP).

Ainda segundo Replogle, esses problemas problemas têm soluções. “Mas, para reproduzir modelos de sucesso como os que foram desenvolvidos em Guangzhou, precisamos do suporte das Nações Unidas e também do apoio financeiro dos bancos de desenvolvimento”, disse o executivo da ITDP.

A iniciativa é resultado do esforço da SloCaT (sigla em inglês para Transporte Sustentável de Baixo Carbono), parceria internacional que inclui entidades da ONU, bancos de desenvolvimento, ONGs e organizações empresariais. “Essa decisão nos permitirá o planejamento para o contingente de 1 bilhão de pessoas que mduarão para as cidades nos próximos 20 anos”, avalia Cornie Huizenga, organizadora da SloCaT na Rio+20.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.