Tamanho do texto

Paulo Bernardo avaliou que valor arrecadado, de R$ 2,9 bilhões, foi um resultado expressivo diante da crise financeira que afeta diversos países

Embora o governo esperasse um reforço de caixa de R$ 3,8 bilhões com o leilão de 4G, realizado nesta semana pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, avaliou que o valor arrecadado, de R$ 2,9 bilhões, foi um resultado expressivo diante da crise financeira que afeta diversos países.

"Temos de lembrar que estamos no meio de uma crise mundial e uma empresa de capital espanhol, a Vivo, do Grupo Telefonica, pagou R$ 1,05 bilhão por uma faixa nacional de 4G. Isso é um sinal de como a economia brasileira tem sido vista", disse Bernardo após participar do programa de rádio Bom Dia Ministro, na sede da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

MaisMinistro diz que haverá leilão complementar para 4G

O ministro contou que já conversou com o secretário do Tesouro, Arno Augustin, que teria ficado satisfeito com o resultado do leilão. "Ainda não falei com o ministro Guido Mantega, mas a Fazenda não está olhando só a arrecadação, mas também os sinais positivos emitidos pelo processo", disse. Na avaliação de Bernardo, o resultado do leilão demonstra "o nosso bom ambiente regulatório, nossa segurança jurídica e nosso mercado interno em expansão".

"Teremos até cinco concorrentes no 4G nas principais cidades do Brasil. Em poucos países verificamos uma competição assim". Além de Claro, Vivo, TIM e Oi, que compraram frequências nacionais, a Sky e a Sunrise adquiriram blocos de menor abrangênci.

AindaLeilão de 4G arrecada mais R$ 2,93 bi com venda de 54 lotes

O ministro admitiu ainda a possibilidade de que as "sobras" de 4G de lotes regionais que não tiveram propostas no leilão desta semana possam ter seus preços mínimos reduzidos para se tornarem atrativas a companhias de menor porte, em uma futura relicitação. "Temos como negociar isso com o Tribunal de Contas de União, mas essa solução pode sair em seis ou oito meses".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.