Tamanho do texto

Segundo José Carvalho Neto, não existem métodos de armazenamento em grande escala para vento

O presidente da Eletrobras, José da Costa Carvalho Neto, destacou, nesta quinta-feira (14), que, apesar do grande potencial, de 350 gigawatts (GW) - bem acima dos 260 GW das hidrelétricas -, a energia eólica deve seguir como fonte complementar dentro da matriz energética brasileira.

Segundo ele, ainda não há uma fórmula para utilizar todo o potencial desse tipo de energia limpa. "Produção e consumo de energia ocorrem ao mesmo tempo. No caso da eólica, não existem métodos de armazenamento em grande escala. Além disso, ninguém hoje armazena vento ou sol", afirmou Neto durante o "Encontro da Indústria para a Sustentabilidade", evento paralelo à Rio+20 promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Veja a cobertura completa da Rio+20

"A base da matriz vai continuar hidrelétrica. Ainda temos um grande potencial hidrelétrico para explorar pelo menos nos próximos 15 anos", acrescentou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.